sexta-feira, 14 de junho de 2019

A lenda da Crisântemo (Lenda), de Eduardo Sequeira


A lenda da Crisântemo
Segundo reza a tradição fielmente conservada através centenas e centenas de gerações, nunca houve nas ilhas do Sol Nascente princesa mais sedutoramente formosa do que a companheira bem-amada do príncipe Yoshimitsu.
Pintor algum por mais talento que possua, não será nunca capaz de, com as cores mais finas e custosas, criar imagem mais graciosa do que a da bela japonesa.
Ela era mais fresca que as alvoradas, mais alegre que as searas maduras, mais formosa que o sol e mais sabia que o mais sábio bonzo.
A justiça vacilava em dar sentença em negócio intrincado, dois esposos desarmonizavam-se, pleiteavam vizinhos em encarniçada questão que nada parecia poder sanar, era só fazer a princesa Touki Bouki sabedora do caso e ela tudo resolvia com a mais imparcial justiça tudo aplanava e o que mais era digno de nota, a contento de ambas as partes que ficavam abençoando a Providência das ilhas do Sol Nascente, a boa, a doce, a justa e a santa princesa Touki Bouki.
Por isso todo o mundo a adorava, todas a bendiziam desde o miserável habitante das tristes choupanas até ao opulento morador dos labirínticos palácios construídos de porcelana e forrados de custosa seda de mil cores diversas.
Um dia porém o império onde só parecia residir a felicidade foi assolado por um terrível flagelo, uma medonha peste que dizimou espantosamente a população. Tudo era dor, lágrimas e luto.
A gente aterrada, perdia a cabeça e a nada atendia. Aglomerava-se ante os templos, pedindo aos deuses, em altos gritos, o termo da praga cruel para que não sabiam remédio.
Quem lhes valeu porém no aflitivo transe foi a boa princesa Touki Bouki. Corria de casa em casa tratando dos doentes, amortalhando os mortos de quem todos fugiam com horror, tomando conta dos pobres órfãos abandonados, consolando e animando os tristes. E a sua popularidade cresceu tão espantosamente que, quando aparecia, todos se lhe lançavam aos pés, e era adorada com fanatismo, como nenhum Deus até então o fora.
Mas — crueldade da sorte! — quando a peste terminava, quando já todos, aplacado o pavor, rendiam graças ao céu por terem escapado ao mal dizimador, a princesa atacada pela doença cruel que desbastara o seu povo estremecido, foi instantaneamente arrebatada pela morte, como se esta receasse que demorando-se alguns minutos o amor dos súditos lhe não deixasse empolgar a bela presa preciosa.
Então o luto foi geral, e todos, velhos e novos, choravam doidamente a perda da sua bondosa protetora, da sua amiga, da sua providência, do seu bem.
O enterro da santa princesa foi a coisa mais maravilhosa que sonhar-se pôde. Toda a nação a acompanhou até junto da sepultura aberta no centro de um extenso e alegre campo de arroz.
Poucos dias depois — caso estranho! — o local onde jazia o corpo da gentil princesa assinalava-se por uma profusão de flores estranhas, desconhecidas de todos, que espontaneamente brotaram do solo, com as pétalas graciosamente encaracoladas como o fora o cabelo da morta gentil, e de mil coloridos diversos desde o negro como os seus olhos negros, vermelho tão vivo como o que em vida lhe tingia os lábios, e amarelo intenso como o oiro dos seus cabelos até ao branco impecável da sua alma puríssima.
De toda a parte, desde os mais remotos confins do império, o povo, celebrando o milagre, corria a visitar o túmulo milagroso para colher hastes das plantas sagradas que se tornaram logo as prediletas de todos, espalhando-se rapidamente por todo o país.


---
Pesquisa e adequação ortográfica: Iba Mendes (2019)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...