sexta-feira, 14 de junho de 2019

A lenda do Chá (Lenda), de Eduardo Sequeira



A lenda do Chá

Dakar era um ardente devoto de Shiva a cruel deusa indiana que só gosta de morticínio e de sangue, e que recebe as adorações mais submissas, profundas e completas duma legião de crentes que habitam nos misteriosos recessos das florestas da Índia, dessa terra das lendas e das maravilhas. Havia anos que vivia numa gruta em ardente adoração; de estar sempre de joelhos criara calosidades que lhe não permitiam endireitar as pernas, e as unhas dos dedos das mãos, que conservava fechadas havia anos, tinham rompido os tecidos e apareciam do lado oposto.

Não havia martírio a que se não sujeitasse, e as populações fanáticas consideravam-no Santo e vinham de longe render-lhe homenagem e pedir-lhe conselhos.

Só uma nuvem negra, um pesar profundo perturbava o misticismo de Dakar. Sofria sem custo o frio, a fome, a sede, as mais incômodas posições, dominando à vontade o organismo, só não pudera ainda vencer o sono! Debalde se esforçava por resistir, debalde fazia despejar sobre si quantidades enormes de água fria, debalde se sujeitava à aplicação do ferro em brasa, ou fazia vibrar o tantã junto dos ouvidos. O sono como mais forte, subjugava-lhe a vontade e obrigava-o a dormir. No seu desespero chegou a fazer cortar as pálpebras cuidando assim que espancaria para longe o sono, mas a tortura foi baldada. Os olhos permaneciam abertos mas Dakar dormia!

Uma tarde, — havia dias que estava sem comer — orava o faquir fervorosamente pedindo a Shiva que se amerceasse dele e lhe permitisse antes de morrer a última e suprema felicidade de poder vencer o sono, quando começou a sentir-se muito fraco, uma languidez precursora do sono a dominá-lo, tudo a dançar-lhe à volta...

Seria fome? Seria sono? Oh, se apaziguando a fome vencesse o sono...

Olhou em roda... alimentos nenhuns; os fiéis tinham-se esquecido de lhos trazer... mas não havia mal... Fora, perto da gruta, vegetavam variados arbustos, e a alimentação de tantos animais também havia de convir ao homem. Seria mais um sacrifício... E Dakar arrastando-se com dificuldade, quase vencido pela necessidade de dormir, chegou até junto dum vegetal e começou a devorar-lhe as folhas.

Mas, caso milagroso, à medida que ingeria as folhas do vegetal, o sono desaparecia e o faquir sentia-se mais forte, fresco e vigoroso.

Obrigado oh Shiva! exclamou ele jubiloso, agora posso morrer, pois morro feliz visto que graças a ti, alcancei dominar o que até hoje zombara dos meus esforços. Venci o sono!

Começou desde então a fazer colher pelos seus adeptos folhas e folhas do vegetal, que deitava de infusão, e quando o sono fazia sentir os seus primeiros rebates bebia da água milagrosa e ele desaparecia logo.

O arbusto descoberto pelo fanático faquir indiano, o vegetal dissipador do sono foi o chá.




---
Pesquisa e adequação ortográfica: Iba Mendes (2019)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...