sexta-feira, 14 de junho de 2019

A lenda da Papoula (Lenda), de Eduardo Sequeira



A lenda da Papoula

Naqueles bons tempos em que os deuses desciam à terra a confraternizar com os humanos, vivia nos Alpes um rapaz filho de gente pobre mas que pela sua bondade e pelo carinhoso desvelo com que sabia velar à cabeceira dos doentes era querido e estimado por todos.

Tinha a grande e apreciável arte de por meio de doces cantares saber adormecer aqueles que eram apoquentados pelas mais terríveis e rebeldes insônias, de modo que os seus conterrâneos lhe não deixavam um momento só de descanso.

Em qualquer adoecendo, a família ia logo ter com o pobre rapaz, que não podendo resistir às suplicas lá se instalava junto dos doentes, embalando-os com as suaves melodias que chamam o sono e que ele sabia dizer como ninguém.

Mas não podendo resistir a tão excessivas e continuadas fadigas e vigílias, foi pouco a pouco enfraquecendo, até que um dia se extinguiu ao cair da tarde, quando o sol morria no extremo horizonte...

Então os deuses para premiarem as boas ações do que morrera praticando o bem, tornaram-no imortal, transformando-o numa planta, na papoula, a quem deram a principal virtude pela qual os doentes o desejavam sempre junto a si, a de fazer esquecer o sofrimento por meio do sono.




---
Pesquisa e adequação ortográfica: Iba Mendes (2019)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...