segunda-feira, 3 de junho de 2019

A raposa e o lobo (Fábula), de Ana de Castro Osório



A raposa, o pescador e a pérola

Ia certa raposa, de caminho por uma praia do mar, sempre atrevida e lampeira, olhando e farejando, para descobrir e caçar qualquer presa, como é seu costume. Trotou horas a fio, sem nada encontrar que lhe matasse a fome. Até que, num relance, viu, mesmo à borda de água, uma coisa que lhe pareceu um bom pedaço de carne metido numa concha.

Sem mais cuidados, saltou-lhe em cima e avançou o focinho para ferrar o dente guloso no manjar que a sorte lhe deparara. Mas a sorte nem sempre serve os atrevidos.

Aquele pedaço de carne era uma ostra muito grande, que, por qualquer acaso arrancada ao rochedo onde estava presa no fundo do mar, as ondas tinham arrastado para a praia.

Mal o focinho da raposa lhe tocou, a ostra fechou-se, tão de repente e com tanta força, que lhe prendeu as ventas entre as duas conchas.

A raposa aflita, respirando a custo, fez quanto pôde para se desembaraçar daquele cadeado. Mas por mais que, no seu desespero, batesse com o focinho ferido na areia e nas rochas, não conseguia libertar-se.

Por fim morreram ambas, a raposa atrevida e a ostra que não mais quis abrir-se.

Mais tarde passou ao longo da praia um pobre pescador, que por ali andava na sua faina. Viu de longe o corpo da raposa morta. Abeirou-se remando, e saltou para a praia, pensando esfolar a raposa e ficar-lhe com a pele, pois já seria bom e não esperado ganho da labuta daquele dia.

Com muito espanto viu o focinho da raposa preso nas conchas de uma grande ostra. Então abriu esta com todo o cuidado, para de qualquer modo a aproveitar. Imagine-se a alegria do pobre pescador, quando, abertas as conchas da ostra, deparou com uma formosa pérola. Sem querer saber de mais nada, soltou a pérola que a sorte lhe dera, e levou-a consigo para a vender na mais próxima cidade.

A pérola vendida fez a sua fortuna e aumentou a riqueza do mercador que lha comprou.

Guardado está o bocado para quem o há de comer. E nos caminhos da sorte se encontra a vida e a morte.




---
Fonte:
Ana De Castro Osório: “Contos, fábulas, facécias e exemplos da tradição popular portuguesa” (editado a partir da edição da Bibliôtronica Portuguesa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...