terça-feira, 4 de junho de 2019

O grande artista condenado à morte (Fábula), de Ana de Castro Osório



O grande artista condenado à morte
Era uma vez um pobre homem que, por qualquer delito grave, foi condenado à morte.

Quando estava na prisão, e já no oratório, para no dia seguinte ir para a forca, não se cansava de bradar:

— Matam-me; matam-me de certeza!...

Mas se soubessem o grande Artista que vão matar, eles me perdoariam!... Quando já não houver nenhum remédio, chorarão um Artista como não há outro! Vou morrer! Vou a enforcar! Deixá-lo. Pior mal será para eles, que perdem um Artista como nunca houve!... 

Os guardas, intrigados com aquele palavreado, foram perguntar-lhe qual era a sua Arte.

— Depois de eu morrer saberão o que se perde comigo!... Artistas destes não vêm muitos ao Mundo! Eu sou enforcado, e já não padeço mais. Mas o País perde um Artista sem rival!... 

Os guardas foram dizer ao Rei o que era passado, e ele incumbiu-os de interrogarem o condenado e conseguirem saber qual era a sua Arte, pois, se na verdade a morte dele fosse uma perda para a Nação, perdoaria o crime.

Quando os guardas lhe disseram o que decidira o Rei, o preso respondeu com o mesmo alarido:

— Isso é que nunca! O que a Nação perde sei eu muito bem, mas não digo mais nada. Dizê-lo?! Era o que vocês queriam, para ficarem com o meu segredo e me matarem na mesma! Só depois da minha morte o hão de saber! Só depois é que terão de arrepender-se do que fazem!...

— Mas Sua Alteza quer dar-te o perdão, se tu disseres a Arte que tens. E palavra de Rei não volta atrás.

— Só direi a minha Arte depois de ter nas mãos o perdão assinado por Sua Alteza. Não quero saber de promessas. Palavras leva-as o vento... E eu não dou de graça a minha Arte a ninguém!...

Voltaram os guardas ao palácio onde estavam os Reis, já muito intrigados, e repetiram quanto o homem apregoava dos seus méritos, e a sua decisão de só dizer qual era a sua grande Arte depois do perdão assinado.

A Rainha, cheia de curiosidade, e mais inclinada para a clemência, pediu ao Rei que assinasse o perdão, pois não devia perder-se um Artista que podia honrar o País.

O Rei convenceu-se, e assinou o perdão que libertava o grande Artista. E confiou a carta de perdão aos guardas, que voltaram à prisão onde o condenado continuava os seus proclames:

— Mal sabem o grande Artista que se perde!... Matem-me, que depois terão de chorar a minha falta!... Mas já não haverá remédio!...

Nisto os guardas entraram no oratório onde ele estava e entregaram-lhe a carta do perdão real.

Quando a teve nas mãos o homem deu um pulo de contente. Beijou a assinatura do Rei e dirigiu-se para a porta disposto a sair para a liberdade, sem mais cuidados. Mas os guardas não o deixaram ir-se embora sem que ele cumprisse a obrigação em que estava de, finalmente, dizer o seu valor e declarar a Arte maravilhosa que se perderia para sempre com a sua morte na forca.

Então o perdoado voltou-se para os guardas, muito sério, e disse:

— O que era a minha Arte?! Era muito boa. Meu pai fazia cortiços, e era eu quem os barrava!

Todos os presentes desataram a rir. E como o grande Artista já tinha o perdão real, nada puderam fazer-lhe e deixaram-no ir em paz, e salvo afinal, com muita arte, da morte a que fora condenado.
 

---
Fonte:
Ana de Castro Osório: “Contos, fábulas, facécias e exemplos da tradição popular portuguesa” (editado a partir da edição da Bibliotrônica Portuguesa)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...