sexta-feira, 5 de julho de 2019

A Sulamita (Conto), de Brito Camacho



A Sulamita
Os seus peitos, semelhantes a limões verdes, amaduravam ao calor das minhas mãos frementes.
Pus-lhe ao pescoço um colar de beijos, e tanto a apertei nos braços, que senti bater dentro do meu peito o seu inquieto coração.
Ela é formosa, a minha amada, tão formosa que o sol, perdido de amores por ela, a beijá-la doidamente, lhe amorenou a pele de jaspe.
Procuro-a de noite no meu leito, e a procurá-la debalde, foge-me a alma para onde ela está, entre lençóis de renda, dormindo o sono imperturbável das raparigas sem mácula.
De farrapos da treva primitiva fez Deus a sua cabeleira farta, semelhante a um mar revolto, sem brancuras de espuma.
Trigueira como as filhas de Jerusalém, a minha amada é apetitosa como um cacho das vinhas de Egandi, doce como um favo de mel, perfumado e louro.
Que harmoniosa é a sua voz, semelhante ao arrulhar de pombas mansas, e que infinita graça há nos seus meneios, como se fosse uma palmeira de jardim a executar uma dança grega.
Os meus lábios em fogo tocam a sua boca vermelha, e tenho a impressão de beijar a flor rubra do cato que um orvalho embalsamado ligeiramente umedeceu.
Como és bela, amiga minha, e como eu seria feliz se morresse a beijar-te, entrelaçadas as nossas mãos, sentindo a rijeza elástica dos teus peitos, semelhantes a pequeninos montes de neve.
Que realce não daria à tua garganta alabastrina um colar de ouro maciço, e que bem ficaria na tua cabeça de madona um diadema de rainha, cravejado de pedras raras!
Ouço a sua voz nos murmúrios cadenciados da floresta, e sinto o hálito da sua boca no perfume errante dos silvedos, toucados de rosas vermelhas.
Quisera ser a terra que ela pisa, grácil como a haste de um lírio, ou o ar que ela respira, leve como a asa de um inseto.
Perco-me a tatear na treva dos seus olhos, e quando sinto que vou cair nas profundezas dum abismo, ilumina-me o caminho um clarão da aurora que lhe afogueia os lábios.
Mata-me a anda de possuí-la, e matar-me-ia a sua posse, que a minha alma atormentada só pode viver no desejo irrealizável.
Invejo a água em que te banhas, porque ela te envolve toda na volúpia de um beijo casto; o leito em que adormeces, porque a frescura do teu corpo de virginal madona, temperaria o fogo que me devora, semelhante a uma túnica de labaredas, que atormentam e não consomem.
Diga o meu enleio o que não sabe dizer a minha boca, e que o teu instinto de mulher amada adivinhe na timidez dos meus gestos a audácia dos meus pensamentos.
Que tarde nos encontramos, amiga minha, errante pelo caminho da vida, a procurar-te na reverberação quente do sol; na palidez fria da lua; no pipilar das avezinhas enamoradas; na melopeia das fontes cristalinas; nas incertezas merencórias do crepúsculo vespertino, e nas alegrias festivas do crepúsculo matinal.
O insensato que um dia, na dureza do seu coração, negou a existência de Deus Dixit insipiens in corde suo — Non est Deus — faria penitência da, sua blasfêmia se te encontrasse no campo, apascentando os rebanhos, ou se te visse no jardim, entre plantas aromáticas, a mais formosa de todas as mulheres trigueira como as tendas de Cedar, a voz doce, a face graciosa, os olhos mansos como os das pombas, os cabelos negros como um corvo, os peitos brancos como montinhos de neve, a quererem saltar como cabritos monteses — conjunto de perfeições atestando a onipotência divina.
Ela é formosa, a minha amada, tão formosa que o sol, perdido de amores por ela, quando a vê passar na rua, afastando nuvens em monte, corre a beijai a doidamente, amorenando-lhe a pele de jaspe.


---
Pesquisa, transcrição e adaptação ortográfica: Iba Mendes (2019)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...