sexta-feira, 5 de julho de 2019

Amigos, amigos... (Conto), de Brito Camacho



Amigos, amigos...
Amigos desde os bancos das Escolas, um e outro sem família» resolveram fazer vida em comum.
Por que não?
Aumentariam as comodidades, e as despesas diminuiriam. Não eram ricos; mas somados os modestos haveres que possuíam, tinham uma pequena fortuna.
No Colégio chamavam-lhes os Siameses, não porque se parecessem fisicamente, mas porque andavam sempre juntos, tinham as mesmas opiniões, os mesmos gostos, as mesmas birras e caprichos. Fumavam os mesmos cigarros, usavam os mesmos fatos e liam os mesmos livros, isto é, os mesmos romances, às escondidas.
Alugaram casa, mobilharam-na com o desejável conforto, e assentaram em tomar uma criada da província.
No dia em que a senhora Rosalina entrou, com o seu grande saco de roupa na mão, perfeitaça e rechonchuda, os dois amigos assentaram no programa de vida a realizar, portas a dentro, por modo que naquele modesto lar só houvesse paz e harmonia.
— Farás de conta que a Rosalina é minha mulher, e tratá-la-ás com o respeito devido. Eu farei de conta que ela é tua mulher, e tratá-la-ei com o devido respeito.
Assente, por maneira tácita, que a Rosalina seria a mulher dos dois, foram as coisas marchando à maravilha como sur des roulettes.
Evitavam as situações que podiam ser comprometedoras, e uma vez que se encontraram no corredor, às escuras, pela noite alta, quase junto à porta do quarto da moça, atribuíram o caso a necessidades derivadas de um arroz de ameijoas que tinham comido ao jantar, e em que os dois se tinham metido a valer, porque estava excelente. Raramente iam os dois ao teatro, na mesma noite, e quando um jantava fora, tinha o cuidado de prevenir o outro para seu governo. A Rosalina tinha para ambos as mesmas atenções, as mesmas respeitosas delicadezas as mesmas penhorantes solicitudes. Em cada mês um era o bolsa- como nas Repúblicas de Coimbra, não porque tivessem necessidade de fiscalizar a administração da rapariga, incapaz de errar as contas em seu proveito, mas para saberem o que se gastava em casa, habilitando-se a suportarem os respectivos gastos com equidade absoluta- E nunca trocavam impressões a respeito da governanta, ambos satisfeitos com o serviço que ela lhes prestava, cada um deles, conforme o ajuste feito, considerando-a mulher do outro, e ela considerando-se mulher dos dois, forma de neutralidade que tacitamente tinham adotado os três, para que naquele modesto lar houvesse paz e harmonia.
Eis senão quando a cachopa declara que precisava alargar os coses, sempre agoniada, a vomitar por todos os cantos, e uma coisa lá dentro, a mexer, que parecia um bicho.
Foi chamado um médico, o primeiro que se encontrou, e discretamente os dois se retiraram para a casa de jantar, deixando a rapariga à vontade para responder às perguntas que naturalmente lhe faria o doutor.
Foi rápido, sem deixar de ser completo o exame, terminado o qual o médico expôs, sem hesitações e sem reticências, o seu diagnóstico.
— A rapariga está grávida, e pelo que ela diz e eu observo, daqui por uns três meses deve ter o seu bom sucesso.
Um deles ainda aventou uma hipótese — um bicho como a Rosalina dizia, porventura um tumor a ser operado, como sucedera à irmã de um seu amigo, que os médicos, a princípio, diziam que estava grávida. Quando mais tarde se reconheceu que se tinham enganado, já a pobre senhora andava nas bocas do mundo.
— Desejaria muito enganar-me para lhes ser agradável, mas o caso é dos que não permitem a sombra sequer de uma dúvida.
Foi o momento das confissões honradas, do honesto desabafo, como aos pés de um confessor.
O filho da Rosalina seria, para todos os efeitos, obra dos dois, e visto nenhum ter herdeiros forçados, ascendentes ou descendentes, essa criança, rapaz ou rapariga, herdaria a fortuna dum e outro, a despeito da sua paternidade ilegítima. E logo assentaram em fazer testamento, nos termos d esta resolução, no próprio dia em que se batizasse o pimpolho.
Precisou um deles sair, já a Rosalina estava para toda a hora, e como houvesse de por lá ficar uns dias, quis notícias pelo telégrafo.
E teve-as.
Gêmeos. O meu veio morto.


---
Pesquisa, transcrição e adaptação ortográfica: Iba Mendes (2019)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...