sábado, 27 de julho de 2019

Eça de Queirós nas palavras de Aníbal Soares (Discurso)



Eça de Queirós nas palavras  de Aníbal Soares

Minhas Senhoras, Meus Senhores:

Confuso pelo que tenho ouvido, em frente ao mármore da estátua onde a sua figura avulta, quais palavras quereis que diga? Quais palavras, peregrino que venho de longe, rude, bárbaro, cheio de devoção e de fervor, e súbito ergo os olhos e descubro, como num sonho, a face augusta do Mestre, tão viva, fitando a Verdade eterna, que eu mais queria ajoelhar neste terreno e para sempre ficar defronte dela, balbuciando só para entre os dois, nesta franca simplicidade de crente, as toscas orações da minha fé!

Que muito é que me prosterne aqui, se estais vendo homens tão ilustres inclinar a fronte gloriosa perante a glória desse que passou!

E todavia — e por meu mal — preciso é que eu fale agora perante vós. Preciso é, que da remota cidade legendária que ele atravessou em algum dia, nos manda cá uma mocidade ardente e generosa, em cuja alma cai e se derrama, como orvalho de ouro, a lição altíssima do Mestre. Manda-nos cá render o seu preito aos pés desta estátua, e à memória do morto querido trazer também, como devido tributo, a afirmação calorosa da sua imensa, profunda, indestrutível gratidão.

Sem que eu intente analisar aqui. Senhores, a obra portentosa do Eça, deixai-me perguntar quem mais amor lhe deve, do que esta juventude a que pertenço, e que entrando na vida encontrou, por ele já desbravado de tanto preconceito, de tanto erro, de tanto convencionalismo esterilizador, o caminho aspérrimo a percorrer!

Porque nem só nas letras a sua ação tocou — e se uma corrente de ideias novas e sãs, nos costumes, nas artes, nas doutrinas, vai, debilmente embora, circulando na sociedade portuguesa e de certo modo vigoriza e vivifica a mocidade de hoje, é preciso não esquecer quão grande parte desse bem nós devemos ao gênio de Queirós.

Vulgaridade é dizer-se que ele ajudou a fazer, nas Farpas uma revolução. Sem dúvida sucedeu assim. Mas ele foi um revolucionário em toda a sua obra. Foi um panteísta e amou a Vida, mas a Vida livre, livre da falsidade, da mentira, da convenção, do postiço, da hipocrisia inútil; e assim é necessário pôr ao lado da tortura do Padre Amaro, coagido no seu direito de viver integralmente, por um preconceito que frutifica em crime e em morte, o martírio incomparável de Luísa, impiedosamente punida por outro erro que não é dela, mas da sociedade falsa e vã que a rodeia.

Diga-se claro e de vez: foi por Luísa amar um dia livremente que morreu? Não. Foi porque a sociedade fez desse amor um crime e logo todos, desde a criada Juliana ao conselheiro Acácio, puderam degradar, espezinhar, envilecer, a criatura que apenas fora natural. Nem se compreende que, na intenção do escritor, o Paula dos móveis pudesse de alguma forma representar um instrumento da verdadeira e imutável Justiça.

Tal é a moral, a larga, clara e humaníssima moral que, em meu entender, ressalta da obra do Eça — e este é também o ensinamento que nós vimos agradecer-lhe aqui.

Ele sofreu muito com a falsidade, com a dor, com a cobardia dos homens, e com a guerra fatal que até as coisas parece moverem-lhes sobre a terra—e por isso foi que muito riu. Rir, neste caso, é sofrer. Não se pense que quem passa galhofando do Mal não chora no fundo amargamente a vasta miséria humana.

Senhores, dei a razão da nossa vinda. Hoje é para todos nós um feliz dia. Já o tínhamos em espírito nas páginas resplendentes dos seus livros; agora temos também a sua imagem na beleza inexcedível desta estátua. Está conosco, é como se vivesse!

Cá viremos colher vigor e alento para a caminhada que está longe do seu termo. Ele riu muito, ensinando muito. É preciso rir e ensinar ainda mais — rir e ensinar até que brilhe a luz, até que de todo se descubra a figura que vejo além meio-velada.

Só virá a paz ao mundo quando nele passar, ovante e nua, a Verdade suprema, gloriosa, soberba e invencível!


---
ANÍBAL SOARES
"Discursos",  9 de novembro de 1903.
Pesquisa e adequação ortográfica: Iba Mendes (2019).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...