segunda-feira, 8 de julho de 2019

O Curupira e o Caçador (Conto), de Barbosa Rodrigues



O curupira e o caçador
(Diálogo)

Um caçador perdeu-se no mato e lá ficou. Chegando debaixo de uma grande árvore, dormiu.

Ouviu gritar. O Curupira bateu nas sapopemas das árvores e gritou; tornou a gritar cada vez mais perto. Depois ouviu gritar ainda mais perto, já junto a si. Chegou o Curupira junto dele, assentou-se e começou a conversar.

— Como estás, meu neto? 

— Sempre bom, meu avô e como você passa? 

— Sempre bem também. 

— Ah! Meu avô! Eu perdi-me de casa. 

— É possível, meu neto? Tua casa não é longe. Quando vieste de casa? 

— Ontem, meu avô.

Continuaram a conversar.

— Ah! Meu neto! Eu estou com fome. 

— Eu também tenho fome. Nada comi ainda hoje. 

— Meu neto, eu quero comer. 

— Eu também. 

— Meu neto, tu me dás a tua mão para eu comer! 

— Aqui está, meu avô.

Cortou a mão de um macaco, que tinha trazido da caça da tarde daquele dia, e lhe deu. Pegou nela e comeu.

— Meu neto, a tua mão é gostosa, eu quero comer a outra. 

— Aqui está, meu avô.

— Ah! Meu neto! É bem gostosa a tua mão. Tu me dás também teu pé para eu comer? 

— Aqui está, meu avô.

Cortou o pé do macaco e lhe deu.

— Aqui está, meu avô.

— Ah! Meu neto! É gostoso o teu pé! 

— É possível isso, meu avô? 

Depois pediu-lhe também o coração.

— Ah! Meu neto! Eu quero também o teu coração. 

— Deveras, meu avô? Aqui está.

Tirou logo o coração do macaco e lhe deu.

O Curupira pegou e comeu logo o coração do macaco. Depois ele pediu o coração do avô.

— Agora eu também quero o teu coração.

— É possível, meu neto? Então dá-me a tua faca.

— Aqui está a minha faca.

Tomou imediatamente a faca, feriu-se, caiu e morreu. Ali ficou e ele foi-se embora.

— É bem feito que morresse.

— Vou agora ver o Curupira que morreu, para lhe tirar os dentes verdes para remédio; já deve estar podre, vou lhe tirar os ossos para bico de flechas. Foi-se logo embora. Chegando ali achou os ossos já brancos, e foi tirá-los com o machado que levou.

— Agora, com o machado, eu tiro os dentes.

Bateu logo com o machado nos dentes. Ele ressuscitou e assentou-se. O homem assustou-se bem.

— Ah! Meu neto! Estou com sede, quero água. 

— Deveras?

Urinou logo no chapéu.

— Aqui está água para você, meu avô. 

— Acordei agora bom, mas não sei em que ponto estávamos quando dormi. O que era, meu neto?

— Não sei. 

— Agora vamos, meu neto. O que queres tu, meu neto? 

— Não sei. 

— Eu te dou uma flecha para tu matares caça. 

— Dizes bem, meu avô. 

— Então vamos. 

— Vamos. 

Foram para o mato e ali ele deu a flecha.

— Agora já tens uma flecha para caçar; queres ir te embora? 

— Quero ir. 

— Sabes, porventura, onde é a tua casa? 

— Não. 

— Então eu vou contigo para tua casa.

— Bem, meu avô, então vamos. 

Chegaram perto de casa.

— Agora, meu neto, eu vou-me embora e te deixo. Quando tu quiseres, já sabes onde eu estou. Quando quiseres vai ter comigo. Sabes? Adeus! Desta flecha só tu sabes o jeito, não a leves para casa, não contes a ninguém, nem a tua mulher. Só tu sabes caçar com ela. Esta flecha é uma cobra surucucu; para matar a caça não precisa arco, basta jogá-la. Eu conto para tu saberes que ela te deixará. Bem, adeus!

— Adeus, meu avô! Agora quando eu for passear irei ter contigo. 

— Bem, meu neto, eu estou sempre aí.

Depois ficou um caçador feliz; matava muito, enquanto que os outros não. Ninguém sabia como ele caçava. Diziam:

— Como é isso? Ele mata pássaro, mata caça; como nós então não matamos?

 — Não sei. 

— Nós vamos para o mato, caçamos e não matamos; ele vai e depressa chega, quando menos se espera.

Outros diziam:

— O que será então? Vamos então vigiar como ele mata a caça. 

— Vamos mandar dois meninos vigiar. 

— Vamos.

Foram logo vigiar. Quando ele foi para o mato foram atrás. Foram escondidos vigiar, viram tirar a sua flecha do galho da árvore e logo foram vigiar como ele matava com a flecha.

— Já vimos onde estava a flecha, com certeza já vimos.

Vigiaram-no. Achou logo um pássaro voando. Viram depois atirar atrás a flecha e ir ver o pássaro que estava morto no chão com a flecha ao pé.

— É assim! Já sabemos agora como ele mata caça.

Voltaram:

— Amanhã viremos para experimentar a sua flecha e ver como ele mata caça.

De manhã foram lá. Acharam a flecha; tiraram-na; experimentaram logo num pássaro que estava voando; atiraram; a flecha voou e voltou flechando um deles, que chegou a cair, morrendo logo o menino. O outro voltou e contou: “Morreu meu companheiro”.

— De que morreu? 

— Mordido pela cobra. 

— Vamos ver.

Foram  buscar e trouxeram o cadáver.

O dono da flecha foi buscá-la para ir à caça, mas chegando não a achou mais.

— Por onde perdeu-se minha flecha? Voltou talvez a ter com o seu dono. Agora sim, não tenho mais minha flecha! Que se perca! Talvez eles a achassem; por isso já ela voltou. Talvez a flecha voltasse e fosse ter com o Curupira.

Não tardou em saber que acharam a sua flecha; que a experimentaram; que o menino foi mordido pela cobra, que morreu e que por isso ela foi ter com o Curupira.

— Foi bem feito! Quem mandou bulir nela? Pensavam que era uma flecha à toa, quando era uma cobra. Assim fizeram perder-se a minha flecha, que não volta mais para mim.

Por isso o menino foi-se embora para outra terra, e fugiu com os outros parentes, que por terem medo se mudaram desse lugar.

---
Fonte:
João Barbosa Rodrigues (1842-1909): "Poranduba amazonense" (1890)
Pesquisa: Iba Mendes (2019)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...