domingo, 29 de setembro de 2019

Esse extraordinário Monteiro Lobato! (Resenha)



Esse extraordinário Monteiro Lobato!

Coisa difícil e fácil a gente escrever sobre Monteiro Lobato.

A gente pensa que é fácil porque há um mundo de coisas para dizer sobre a sua obra, a sua vida, as suas atitudes, mas difícil, por isso mesmo, porque não sabemos como começar, nunca achamos ter dito o suficiente, e percebemos que nunca chegaremos mesmo a dizê-lo. Precisamos de mais distância. Ainda nos encontramos muito ao pé da montanha, não nos afastamos o necessário para perspectivá-la.

E, no entanto, Monteiro Lobato é tão simples, tão humano, tão accessível, tão sincero, que conquistou as crianças do Brasil, todas as crianças, de todas as idades. Eu não o conheço pessoalmente, mas acredito na sua sinceridade, porque seria impossível conceber que um escritor que fez da verdade o substrato de todas as suas páginas, das mais ingênuas às mais sérias, tivesse coragem para se enganar a si próprio. O estilo é o homem, e no caso de Monteiro Lobato, basta lê-lo, para se descortinar o homem "por dentro" sem "véus diáfanos", sem tibiezas, sem distorcismos.

Ainda agora, relendo muitas de suas páginas, e entrando em contato com outras inéditas, todas enfeixadas pela Cia. Editora Nacional num magnífico volume comemorativo do 25º aniversário de sua estreia como escritor, me deixo aqui, de cócoras, a matutar na sua extraordinária personalidade. Lobato é complexo e simples. Talvez o complexo nele seja a vida, seja a variedade de assuntos que atraem a sua atenção, o mundo mesmo, "o vasto mundo" de Carlos Drummond de Andrade. O simples é ele mesmo, sua maneira de contar, de dizer, de transmitir o complexo. No fim, devo estar meio paradoxal, mas vá lá. Lobato também o é. Nele, há um pouco de tudo, na multiplicidade de suas atividades intelectuais. Mas, é sempre ele mesmo, quer se trate de uma acanhada tertúlia sobre ortografia e acentuação, quer de um problema vital para o Brasil, como a questão do petróleo. É a rês extraviada, singularmente extraviada pelo caminho certo, evitando a manada que vai passivamente, a toque de flauta e sob a estocada do espigão, para os currais. Mas bem poucos como Lobato podem tomar tais atitudes, porque ele realmente tem em si as credenciais de cultura, inteligência e coragem moral, necessárias para remar contra a corrente. Caberia aqui, aquele pensamento de Romain Roland: "Pensar sinceramente, mesmo que seja contra todos, ainda é pensar por todos".

Estes aspectos da personalidade de Monteiro Lobato, podemos observar neste volume: "Urupês, outros contos e coisas", onde, sob sua supervisão, se encontram selecionadas as suas páginas mais decisivas, a respeito dos aspectos e problemas que mereceram sua análise e estudo. Por estes dias de muita sombra e subserviência, quando um grande número de intelectuais preferiu ao silêncio digno, ou ao menos, a entrelinha imprevidente e audaciosa, a demagogia fácil e remunerada do sabujismo, confesso que minha admiração por Lobato, se não cresceu, ganhou em intensidade. Ele é daqueles escritores que ainda se dão ao luxo de usar uma coluna vertebral, e dá gosto a gente ouvir esse idioma estranho de independência, espécie de "sermo eruditus" abolido diante da invasão barbárica. Há na prosa do autor de Mr. Slang e o Brasil, quando ela vai além do conto, da obra de ficção, e focaliza assuntos sérios, no campo econômico e social, um ar irreverente e superior de espadachim da pena. E se esse intemerato d'Artagnan caboclo há de irritar os que não ousam terçar armas com ele aberta e lealmente, em campo neutro, a nós moços, só entusiasmo pode causar. Afinal de contas, Lobato é uma tábua de salvação, à qual se apegam os que não querem soçobrar definitivamente. Dia chegará em que todos avistaremos terra, e pisaremos terra, e seremos novamente livres.

***

O que agrada sobretudo em Monteiro Lobato é a sua dupla independência de estilo e caráter, realizando uma obra limpa, objetiva, realista, mas nem por isso isenta daquele sopro mágico de beleza, que é o que caracteriza a verdade que também é arte. De um modo geral, no entanto, o "pai" do Jeca Tatu não é homem de palavras, mas de assuntos. Dele não se dirá o que se disse de certo clássico português, "que era um estilo à procura de assunto". Em Lobato, há uma coincidência feliz, mas foi sem dúvida o "assunto" que encontrou um estilo, e que estilo! Foi assim que, de certa feita, precisando defender seus interesses que eram os interesses de toda uma coletividade, "virou" escritor da noite para o dia.

O fato é que nele o "assunto" dominou sempre a palavra, porque Lobato é destes raros escritores que só escrevem quando realmente têm alguma mensagem a transmitir. A palavra nele, sempre traduz alguma coisa. Nunca sobra, enfeita, é luxo de estilo. Ao contrário, é um instrumento da ideia, da criação. Explica-se por isso o horror que ele tem ao preciosismo, ao academismo, ao rebuscado, numa palavra: ao verbalismo "snob" metido a literatura. Curioso é que este admirável "provinciano" do mundo, ao contrário dos outros provincianos, os de província, e por isso, mesmo, nunca fez questão de esconder a origem. Geralmente o literato provinciano chega à cidade grande envergonhado da sua "espécie", com um artiguinho pronto sobre um acadêmico qualquer. Fala baixo, feito seminarista, abaixa as pálpebras, feito menina de colégio de freira, é todo humildade diante dos "nomes" da capital. Em pouco, porém, se enverniza de "civilização", faz questão de perder os ares de "imigrante", cobre as canelas, sacode o pó das sandálias, perfura uma rodinha, faz os seus artigos encomiásticos, e se tem talento realmente, dentro de algumas semanas "corta" todos os colegas, faz blague sobre os acadêmicos seus amigos, e sabe sorrir ironicamente à Eça. .. Oh! o sorriso à Eça dos intelectuais que se naturalizaram citadinos...

Mas, que tem isso a ver com o admirável observador de "Problema vital"? Nada evidentemente. O regional em Lobato é acidente. Nele, na realidade, tudo é universal. Não conheço nacionalismo mais "do mundo" que o deste caboclo das serras da Mantiqueira, que um dia, casualmente, "forçado pelas circunstâncias" encontrou o seu verdadeiro "talweg". (Terá realmente encontrado?) O nacionalismo de Lobato não tem parentesco nenhum com qualquer nacionalismo pigmentado ou reacionário. É realista, objetivo. Não vê o Brasil através das lentes do romantismo, muito menos das lentes de aumento do "ufanismo" que tocou às raias do absurdo e do ridículo. O seu primeiro artigo até sobre o nosso "Jeca", revolucionou os arraiais "nacionalistas". Foi preciso que Rui, no seu célebre discurso sobre "A questão social e política no Brasil", endeusasse a figura do Jeca Tatu desenhado por Monteiro Lobato, para que os brasileiros reconhecessem que o Brasil estava de cócoras. Lobato amou sempre na sua terra, a terra dos homens; nos homens de sua terra, o homem, animal às vezes racional, com todos os seus defeitos e qualidades. Como bem acentua Artur Neves, no prefácio que dedicou a esta "antologia" lobateana, referindo-se ao aparecimento de Urupês:

"Daí por diante a obra de Monteiro Lobato, em todos os setores, vai ser uma obra de denúncia implacável e sistemática: denúncia da falseação política; denúncia do estado de lazeira das populações do interior ("Problema vital"), denúncia da "ignorância e da patifaria do governo" ("Mr. Slang e o Brasil"), denúncia da sabotagem das riquezas feita pelo oficialismo a serviço do imperialismo ("O Escândalo do Petróleo"), denúncia dos esnobismos e da macaquice do que hoje chamamos granfinismo ("Ideias de Jeca Tatu"), denúncia de todas as "estilizações" das fraquezas nacionais e de todas as racionalizações dos nossos defeitos. "Na Antevéspera", "América", prefácios e inúmeros artigos em jornais e revistas. 

A mentira, o enfeite sistemático das nossas coisas, desesperava-o. Mas Lobato sabia fazer Justiça. Depois que verificou que a causa da "ruindade" do nosso Jeca, era mais a doença do que outra coisa, não teve pejo de pedir-lhe perdão."

O fato é que, no artigo, no conto, em livros; poético, satírico, irônico, sério ou brincalhão, piedoso ou irreverente, Lobato nunca traiu a verdade, e nunca se envergonhou de reconhecer um caminho errado, para procurá-la num outro melhor. É dessas inteligências que não cabem em definições, nem podem ser catalogadas, e isto pela simples razão de que possui medidas e dimensões próprias. Não pertence a escolas, igrejinhas ou grupos. É um franco atirador das letras, guerrilheiro do ideal. No máximo, podem-nos acorrer ao pensamento outros grandes escritores, quando certas tangências espirituais nos levam a essas remotas aproximações. Às vezes, na sua descrição, o paisagista nos leva a pensar em Euclides da Cunha, nos seus melhores trechos, muito embora haja na realidade, sob o ponto de vista estilístico, um abismo entre ambos. Outras vezes nos lembramos de Machado de Assis. Já pensei em Chaplin, em Carlitos — o cômico-trágico, lendo alguns dos seus contos, ou aquelas suas páginas de flagrantes da vida. Se abro seus livros de criança, meus olhos se enchem de desenhos coloridos à Walt Disney.

Na realidade, não há influência em Lobato. Posso pensar em Bernard Shaw ou La Fontaine, mas Lobato é sempre Lobato, e sua obra é singular e característica nas letras brasileiras. E com toda a sua irreverência e adorável simplicidade, é um puro "clássico" da melhor literatura moderna do Brasil.

---
J. G. DE ARAÚJO JORGE
Revista "Letras Brasileiras", março de 1944.
Pesquisa e atualização ortográfica: Iba Mendes (2019)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...