domingo, 12 de janeiro de 2020

Arcos de Triunfo (Poesias), de Luís Delfino


BEATIFICAÇÃO
(José Maria do Amaral)

O Altitudo!
São Paulo.

Oh! quando o via pela rua adiante,
A fronte nua, lívida, sulcada,
O olhar severo, o porte de gigante,
Mas, sobretudo, a coma prateada,

Como em cascata, aos ombros despenhada;
E a barba longa em torno do semblante,
Que era medalha em lírios enquadrada,
Eu me lembrava de Florença e Dante...

Depois de ter o Inferno percorrido,
Que país de ouro e azul teria em breve?
Não sei. — E ele ia, como um deus vencido,

Abrindo as asas invisíveis, leve,
Grande, aéreo, afastando-se, metido,
Por entre sóis, em píncaros de neve...
 

NAUFRÁGIO IRREPARÁVEL
(Pereira da Costa)

Oh! quando, o último instante, o achei na cama,
Branca a face, sem cor... da cor da cera,
Alheado, estranho, vi por vez primeira
Faltar-lhe aos olhos a divina chama.

Atravessava um surdo choro o drama,
Enquanto eu lhe buscava à cabeceira,
No violino, a obra e a vida inteira...
Lágrimas de ouro à noite o céu derrama...

Porém... na noite dele?... e olhei: — ao lado
Hirto, e ainda vivo, o feérico instrumento
Sobre as águas do pranto, um mar cavado,

Pareceu-me boiar, ir indo lento,
Ir... por um frio vento arrebatado,
Ele a gemer, tudo a gemer... e o vento...
 

MILAGRE
(Agostinho Mota)

Se ele ouvisse na sua sepultura
A tua voz sentida e suspirosa
Chorar-lhe a morte triste e prematura...
De cada branca pérola mimosa,

Não só mimosa, virginal e pura,
Ele fizera a tela grandiosa
Onde juntara à tua formosura
Os lumes de sua alma radiosa.

O pincel, — morto sol na mão descrente, —
Acordara outra vez, dourando o idílio
De floresta que foi seu sonho ardente.

Fora-lhe a cova um trono, e não o exílio...
E isto tudo fizera de repente
Uma lágrima só que cai de um cílio.



DOMADOR DE MONSTROS
(João Caetano)

Como uma estrela monstruosa, o drama
Lança as garras na cena e se dilata,
E quando a cauda de clarões desata,
Como leões fugindo aos antros, brama.

Quer-se um atleta então, que o horror e a chama
Do olhar do monstro não fascine e abata:
Que se levante dessa luta ingrata
Agarrado aos milhões de mãos da fama.

Foi ele um domador. — Hoje enfim dorme!
Que pedaços de sóis, na queda enorme,
Levou consigo o Encélado sombrio!...

Caiu, como o colosso da floresta,
Que abala o solo, e esmaga tudo... e reta
O espaço, em torno, lúgubre e vazio...


UM GRANDE PINTOR
(Victor Meireles)

Foste, a hora bateu, irmão de Urbino,
Juntar-te ao mestre na celeste esfera:
Para ficar com teu pincel divino,
Ninguém ousou dizer à morte: — Espera.

Pisando o pé no solo eterno, o hino
Do triunfador, à tua musa austera,
Soou de sol em sol: foi teu destino
O amor do ideal, que o belo inspira e gera.

Correu-te a vida por areal em fora;
Da terra nossa a enorme dor partilho:
Quem tua alma entre nós vai ter agora?...

Teu gênio a história da arte encheu de brilho;
Pátria, ajoelha; amou-te muito, chora:
Quem mais deve chorar tão grande filho?...



A ESTÁTUA DO CRIME
(Almeida Reis)

Trouxe um dia uma fada as brancas mãos coalhadas
De quanta pedraria ela escondido tinha;
Todo o escrínio real da rainha das fadas,
Que inveja causaria à mais nobre rainha!...

Tinha também um gênio uma folha de vinha,
Feita de uma esmeralda, e cecéns enfeixadas
De diamantes, no seio estrelas variegadas,
Verdes, rubras, azuis da cor de água marinha...

Era, para uma estátua ornar de um deus da Jônia,
Que a um plinto brônzeo já de pedra da Lacônia,
Nosso Canova erguia em mármore mais branco...

Era para o teu deus de mármore sublime...
Mas foram dele (horror!) chegando, e vendo o Crime
Inda agitar-lhe o braço, o rosto, o tronco, o flanco!...



PELO CÉU ABAIXO
(Artur Barreiros)

Ferido o corpo, o espírito esmagado
No prélio, — como em dia de batalha
Em nau já curva ao vento, que farfalha,
Bandeira solta em mastro escalavrado

Rufando, dentro em pé inda o soldado
Sem terror, rota a espada, em trapo a malha,
Ouvindo uivar o casco, que escangalha
Entre garras de sirte o oceano irado,

Espera... espera: o moribundo moço
Esperava!: — porém, qual no arcabouço
Mastiga a vaga a selva do aparelho

E o mar cantando, engulha, enchendo o bojo,
Vi-o afundar-se, e como um sol de rojo
Ir-se em meio a amplidão de um céu vermelho...

 
NÊNIA
(F. A. de Carvalho Júnior)

Morreu por vós, esplêndidas falenas:
Em vós viveu, cativo e delirante!
Como era belo ter esse gigante
Preso, a estorcer-se em vossas mãos pequenas.

Do ardente sonhador, na aurora apenas,
Entre os raios da coma lourejante,
Descansa agora o plácido semblante
À sombra de uma coroa de verbenas.

Por que deixastes resvalar ao solo
A lira de ouro, túmida de arpejos,
E a fronte em fogo do formoso Apolo?

Ai! cortaram-lhe  as asas aos desejos!
Por que não o acordais em vosso colo
Ao rumor lento de um chover de beijos?



UM ARCO DE TRIUNFO
(Pedro Luís)

Dê-me uma grande lágrima a procela,
Talhada como um bloco de granito,
Olhos postos no céu e no infinito
Eu levantara a sua estátua nela.

Que vulto augusto, que figura bela,
Que herói, que semideus do antigo rito!
Dou-lhe o meu arco de triunfo, — um grito:
Dou-lhe o meu panteão, — uma capela.

Não basta: quero que entre na floresta,
E ouça os faunos e as dríades cantando
Seus cantos, dele em torno em coro, e em festa.

E quando ele voltar de ouvi-los, quando
Busque o leito, terá, na longa sesta,
Da glória o colo, e em pranto, ela o embalando...

 
O QUE É PRECISO
(Luís Guimarães)

Na primeira página do livro Sonetos e Rimas

Como vedes, deixo
O vosso canto, e o meu juízo escrito...Diogo Bernardes — Égloga

Ó minha doce amiga, abre-me o seio,
Onde eu pouse um momento a minha fronte,
Enquanto o livro, que já li, releio
Escrito em grandes letras no horizonte:

De ondas de ouro e de luz murmura cheio,
E as carícias, que tem, não há quem conte,
Torna a mulher na terra um céu, eu creio,
Bem como o sol torna esmeralda um monte.

Aos pés de um ente angélico e bondoso,
Não sentes tu, no próprio amor, o esposo
Beber a glória em rica taça ideal?...

Este teve a mulher, que o emparaísa,
Que a alma grande do poeta enfim precisa,
Como tem fome de água e relva o areal...



EH, PERCHÉ DORME...
(Gonçalves Crespo)

I
Born for immortality.Wordsworth — Sonnet

Logo que se espalhou o caso triste,
Vestiram crepe as musas brasileiras,
E ao choro do olivedo, em que caíste,
Juntou-se a dor das lânguidas palmeiras.

Da lira de ouro as cordas feiticeiras
Presas às noites tropicais sentiste,
E o gentil berço das canções primeiras
De azuis e sóis de nossos céus vestiste.

Era o teu hino o múltiplo gorjeio
De sabiás e rouxinóis, saindo
Num grupo só, num só divino enleio.

Mas... será certo que isto tudo é findo?
Corram, palpem-lhe bem de novo o seio,
E não o acordem, se ele está dormindo...



AD SIDERA

For a time farewell...Byron — Manfred

Pois que é verdade, adeus, ó companheiro...
Puseste a lira de ouro a tiracolo,
E num ginete pálido e ligeiro
Foste com o anjo que te leva ao colo.

Hei de dizer àquele pobre solo,
Onde plantaste o triunfal loureiro,
Que tu dos astros procurando o polo,
Ele certo ficou sem jardineiro.

Hei de dizer ao rouxinol, que vinha
Ouvir-te a voz de cima do arvoredo
Para melhor cantar sobre a tardinha,

Que quando alguém viaja azul em fora,
A gente espera... espera... muito embora,
E, como tu, não volta mais tão cedo...



BUON CITARISTA

E, come a buon cantor, buon citarista
Fa seguitar lo guizzo della corda
In che più de piacer lo canto acquista.Dante — Paradiso.

Ouçamo-lo cantar. — No mês das flores
A voz gentil tem matinal frescura:
O dia em cada idílio se pendura,
Dão-lhe as aves e os sóis luz e rumores.

Morde-lhe a aurora a lúbrica pintura;
Tempera a sombra as cruas, rubras cores:
Nera, rompendo o anel da miniatura,
Sai nua a rir, e corre aos gladiares.

Passa casta visão de noiva: — à festa
Lança idílios a luz; e um deus sereno
Acende a tenda azul sobre Modesta;

E ao herói Manchego no trespasse resta
Aquela ameaça, aquele eterno aceno
Com que morto e indignado inda protesta.



AKROS

The mind is its own place, and in itself
Can make a Heaven of Hell, a Hell of Heaven.Milton — Paradise Lost

Alteia o canto. — Lúgubre e sombrio
El-Rei, vesgos os olhos de loucura,
Sentindo o horror do crime, e o calafrio
Do remorso, que o punge e que o tortura,

O velho monge cardeal procura;
O velho monge espera: enche o vazio
Da apainelada sala, imensa, escura,
Um Cristo à cruz, de olhar coalhado e frio.

Como Valdês arroja à tela a ideia,
Dando-lhe a cor dantesca da epopeia,
Sobe-lhe o canto em levantado arroubo!

E então nos mostra em luta a musa austera
O monge-lobo uivando e o rei-pantera:
Um as garras no céu, outro no globo...


A GRANDE SOMBRA
(Castro Alves)

Speak; I am bound to hear

Shakespeare

Bota — sobre as espumas flutuantes
Do oceano do tempo — acalentado;
E foge assim pela maré levado,
Ao hino das estrelas cintilantes.

Eco apenas dos cânticos gigantes,
Que em chamas ideais tinha moldado;
Das mãos caiu-lhe a lira de ouro, em antes
De ter os mundos, que sonhou, formado.

Que epopeias lhe andaram pela fronte,
Como vulcões a arder num vasto monte!...
Ergueu-se na atitude de um colosso.

No oceano do tempo hoje enfim dorme;
E a sombra, que deixou, a sombra enorme
Viu-se que era a de um sol, morrendo o moço.



ÁRVORE SIMBÓLICA
(José de Alencar)

— Que fazes tu, em meio do caminho,
Loureiros ideais amontoando?
Olha... com astros já formei teu ninho:
Vem dormir... inda há dia, e estás suando.

Falou-lhe a morte assim com tal carinho,
Que ele dormiu, a obra abandonando:
E quando o mundo o procurou, foi quando
Viu que um sol cabe num caixão de pinho.

Devia ser-lhe marco à cabeceira
Uma águia, abrindo as asas remontada...
Não tem... plantemos tropical palmeira.

O tronco esbelto, a coma derramada
Dará ideia duma vida inteira
Sempre a subir... sempre a subir coroada...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...