terça-feira, 7 de janeiro de 2020

Poemas de Cruz e Sousa



(À distinta e laureada atrizinha Julieta dos Santos)

"...a fama de teu nome,
 a inveja não consome, o tempo não destrói!...”

Dr. Sinfrônio

Era uma coluna de artistas!...
       Ao lado Tasso
Medindo as múltiplas conquistas
       Co’as amplidões do espaço!...
Seguia-se João Caetano
Embuçado da glória no divinal arcano!...
       Depois Joaquim Augusto
Altivo, sobranceiro, erguido o nobre busto.
       Depois Rachel, Favart,
       Fargueil, a espadanar
Nas crispações homéricas da arte,
Constelações azuis por toda a parte!
E em suave ondulação os astros
       Iam de rastros
Roubar mais luz às rúbidas auroras!...
       Quais precursoras
Do mais ingente e mago dos assombros,
Do orbe imenso nos calcários ombros,
Rola um dilúvio, um grande mar de estrelas
Que lançam chispas cambiantes, belas!...
Há um estranho amalgamar de coisas
Como os segredos funerais das lousas
       ou o rebentar de artérias
— Ou o esgarçar de brumas,
       negras, cinéreas
— Ou o referver de espumas,
       nas longas praias
Alvinitentes, mádidas, sem raias.
       Do brônzeo espaço,
       Das fibras d'aço
Como que desloca-se um pedaço
Que vai ruir com trépido sarcasmo
Nas obumbradas regiões do pasmo...
       — O Invisível
Geme uma música, lânguida, saudosa,
Que vai sumir-se na entranha silenciosa
       do impassível!
       — O Imutável
       — O Insondável
Lá vão cair no seio do incriado.
       E o bosque irado
A soletrar uns cânticos titânios
       lança nos crânios
Aluvião de duras epopeias
       tétricas ideias!...
E o pensamento embrenha-se nos mares
       e vê colares
De níveas pérolas, límpidas, nitentes
       e vê luzentes
Conchas e búzios e corais, — ondinas
       que peregrinas
Aspásias são de lúcida beleza,
De moles formas, desnudadas, brancas
       sendo a primeza
Dessas paragens hiemais e francas!...
       — Ou quais Frenesi
A quem aos pés
O mundo em ânsias, reverente adora
       E chora e chora!!...

***

Mas a ideia o pensamento insano
Às asas bate em busca de outro arcano,
E o manto rasga do horizonte eterno
       vai ao superno
Ao Criador, ao Menestrel dos mundos!
E nuns arroubos, rábidos, profundos
       em luta infinda
       — Oh! quer ainda
Quer escalar o templo do impossível,
Bem como um raio abrasador, terrível!...
Quer se fartar de maravilhas loucas,
       quer ver as bocas
Dos colossais Anteus da eternidade!...
Quer se fartar de luz e divindade
       e de saber,
       depois jazer
Nas invisíveis dobras do insondável,
Bem como um verme, mísero, imprestável!...
       — Ou quer ousado
Descortinar os crimes do passado
E apalpar as gerações dos Graxos
       Dos Espartanos
       E dos Troianos
       E dos Romanos,
       Dos Sarracenos
       E dos Helenos,
E esbarrar nesse montão de ossos
       por esses fossos
Tredos, medonhos, sepulcrais e frios
       onde sombrios
Andam espíritos de pavor, errantes
       e vacilantes
Como a luzinha das argênteas lâmpadas,
Lentos e lentos através das campas!...

***

Mas a ideia, o pensamento audaz
       quer ainda mais!...
Quer do ribombo do trovão pujante
Já num esforço adamastório, tredo
       embora a medo,
       — O atroz segredo
Com que ele faz a terra palpitante!...
       E quer dos ventos
       dos elementos
Quer do mistério a solução! — Nas trevas
       hórridas, sevas,
       a gargalhada
Ríspida, negra irônica, pesada,
Estruge enfim, da morte legendária,
       e a ideia vária
Ainda nisso ousando penetrar,
       tenta sondar!...
       E em vão, em vão
A mergulhar-se em tanta confusão
       não mais compreende
       — O que saber pretende!...
       Assim, oh! gênio,
Na ofuscadora auréola do proscênio
Não sei se és astro, se és Esfinge ou mito,
       se do infinito
Possuis o encanto, os esplendores grandes,
       Ou se dos Andes
Águia tu és, ou és condor divino,
— Ou és cometa de cuja cauda enorme
       e multiforme
       só lágrimas de prata
       ou mesmo se desata
Um vagalhão de palmas, diamantino!!...
Minh'alma oscila e até na fronte sinto
       medonho labirinto,
       estúpida babel,
       e vou cair, revel
No pélago sem fim dos nadas materiais!...
       E como os racionais
Eu fico a ruminar ainda umas ideias
       de erguer-te, ó novo Talma
Um trono singular, mas feito de — Odisseias
       de brancas alvoradas,
       olímpicas, nevadas,
Dos êxtases magnéticos, nervosos de minh'alma!


SONETO
(A Julieta dos Santos)

— Os Trópicos pulando as palmas batem...
Em pé nas ondas — O Equador dá vivas!...

Ao estrídulo solene dos bravos! das plateias,
Prossegues altaneira, oh! ídolo da arte!...
— O sol para o curso pra bem de admirar-te
— O sol, o grande sol, o misto das ideias!...

A velha natureza escreve-te odisseias...
A estrela, a nívea concha, o arbusto... em toda a parte
Retumba a doce orquestra que ousa proclamar-te
Assombro do ideal, em duplas melopeias!

Perpassam vagos sons na harpa do mistério
Lá, quando no proscênio te ergues imperando
— Oh! Íbis magistral do mundo azul — sidéreo!

Então da imensidade, audaz vem reboando
De palmas o tufão, veloz, febril, aéreo
Que cai dentro das almas e as vai arrebatando!...
SONETO
(A Julieta dos Santos)

Dizem que a arte é a clâmide da ideia
A peregrina irradiação celeste,
E disso a prova singular já deste
Sorvendo dela a divinal sabeia!...

Da “Georgeta” feliz estreia,
Asseverar-nos ainda mais vieste
Que és um gênio, que te vás de preste
Tornando o assombro de qualquer plateia!...

Sinto uns transportes fervorosos, ledos
Quando nas cenas de sutis enredos
Fulgem-te os olhos com a expressão dos astros!...

E as turbas mudas, impassíveis, calmas
Sentem mil mundos lhes crescer nas almas...
Vão-te seguindo os luminosos rastros!...

S
ONETO
(A Julieta dos Santos)

Um dia Gutenberg com a alma aos céus suspensa,
Pegou do escopro ingente e pôs-se a trabalhar!
E fez do velho mundo rútilo alcançar
Ao mágico clangor de sua ideia imensa!

Rolou por todo o globo a luz da sacra imprensa!
Ruiu o despotismo no pó, a esbravejar...
Uniram-se num laço, o céu, a terra, o mar...
Rasgou-se o manto atroz da horrível treva densa!...

Ergueram-se mil povos ao som das melopeias,
Das grandes cavatinas olímpicas da arte!
Raiou o novo sol das fúlgidas ideias!...

Porém, quem lança luz maior por toda a parte
És tu, sublime atriz, ó misto de epopeias
Que sabe no tablado subir, endeusar-te...
 

SONETO
(A Julieta dos Santos)

É delicada, suave, vaporosa,
A grande atriz, a singular feitura...
É linda e alva como a neve pura,
Débil, franzina, divinal, nervosa!...

E dentre os lábios cetinais, de rosa
Libram-se pérolas de nitente alvura...
E doce aroma de sutil frescura
Sai-lhe da leve compleição mimosa!...

Quando aparece no febril proscênio
Bem como os mitos do passado, ingentes,
Bem como um astro majestoso, helênio...

Sente-se n'alma as atrações potentes
Que só se operam ao fulgor do gênio,
As rubras chispas ideais, ferventes!...

SONETO
(A Julieta dos Santos)

Imaginai um misto de alvoradas
Assim com uns vagos longes de falena,
Ou mesmo uns quês suaves de açucena
Com os magos prantos bons das madrugadas!...

Imaginai mil coisas encantadas...
O tímido dulçor da tarde amena,
As esquisitas graças de uma Helena,
As vaporosas noites estreladas...

Que encontrareis então em JULIETA
O tipo são, fiel da Georgeta
Nos dois brilhantes, primorosos atos!...

E sentireis um fluido magnético
Trêmulo, nervoso, mórbido, patético,
Bem como a voz dos langues pisicatos!...

SONETO
(A Julieta dos Santos)

Parece que nasceste, oh! pálida divina,
Para seres o farol, a luz das puras almas!...
Parece que ao estridor, ao frêmito das palmas
Exalças-te feliz a plaga cristalina!...

Parece que se partem, angélica Bambina,
As campas glaciais dos Tassos e dos Talmas,
Lá quando no tablado as turbas sempre calmas
Transmutas em vulcão, em raio que fulmina!...

E quando majestosa, em lance sublimado
Dardejas do olhar, olímpico, sagrado
Mil chispas ideais, titânicas, ardentes!...

Então sente-se n'alma o trêmulo nervoso
Que deve ter o mar, fantástico, espumoso
Nos grossos vagalhões, indômitos, frementes!!...


SONETO
(A Julieta dos Santos)

Quando apareces, fica-se impassível
E mudo e quedo, trêmulo, gelado!...
Quer-se ficar com atenção, calado,
Quer-se falar sem mesmo ser possível!...

Anda-se com a alma num estado horrível
O coração completamente ervado!...
Quer-se dar palmas, mas sem ser notado,
Quer-se gritar, numa explosão temível!...

Sobe-se e desce-se ao país das fadas,
Vaga-se com as nuvens das mansões douradas
Sob um esforço colossal, titânio!...

E as ideias galopando voam...
Então lá dentro sem parar, ressoam
As indomáveis convulsões do crânio!!...

SONETO
(A Julieta dos Santos)

Lágrimas da aurora, poemas cristalinos
Que rebentais das cobras do mistério!
Aves azuis do manto aurissidéreo...
Raios de luz, fantásticos, divinos!...

Astros diáfanos, brandos, opalinos,
Brancas cecéns do Paraíso etéreo,
Canto da tarde, límpido, aéreo,
Harpa ideal, dos encantados hinos!...

Brisas suaves, virações amenas,
Lírios do vale, roseirais do lago,
Bandos errantes de sutis falenas!...

Vinde do arcano num potente afago
Louvar o Gênio das mansões serenas,
Esse Prodígio singular e mago!!...
 

JULIETA DOS SANTOS

Tu passas rutilante em toda a parte
     Oh! sol de nossa pátria, oh! sol da arte!...

Virgílio Várzea

Quando eu te vi pela primeira vez no palco
avassalando as almas,
num referver de palmas,
Cheia de vida e cândido lirismo!
Senti na mente uns divinais tremores...
e louco e louco,
a pouco e pouco
Vi rebentar o inferno cataclismo!...

Mil pensamentos galoparam, céleres
por minha fronte
e do horizonte
Quis arrancar os astros diamantinos,
Para arrojá-los a teus pés mimosos
e arrebatado,
fanatizado
Por entre um mar de cintilantes hinos!...

Esse teu busto, a genial cabeça
tão bem talhada
e burilada
Com o escopro límpido da arte,
Tem umas puras fulgurações suaves
e a tu'alma
ardente ou calma
Os corações arrasta por toda a parte!...

A encarnação tu és das maravilhas,
a doce aurora,
branda e sonora
Das teatrais e lúcidas ideias!...
Tens no olhar o filtro que arrebata
e és profética
e magnética,
Possuis na voz o som das melopeias!...

És a escolhida pare as grandes lutas
esplendorosas
e majestosas!...
E sobre os débeis, delicados ombros,
Bem como Homero a sua lira d'ouro,
resplandecente,
trazes pendente
O Infinito enorme dos assombros!...

Quando apareces tudo ri e chora,
se endeusa, agita,
como que palpita
Numa explosão de férvidos louvores!...
E o potentado mais febril da terra
gagueja um bravo,
e faz-se escravo
O mais severo e nobre dos senhores!...

A Dejaset, uma Favart, Rachel,
o João Caetano
como um arcano
Imperscrutável, hórrido, terrível!...
Quebram as lousas sepulcrais e frias
e te louvando
vão recuando
Dizem que é sonho, é mito, é impossível!

Oh! tu nasceste para suplantar, JULIETA
os grandes mundos,
os mais profundos
Dessarte bela, magistral, divina!...
E esse olhar tão expressivo e terno
já eletriza
e cauteriza...
É como um raio que a corações fulmina!...

Que sol é este, vão bradando os polos,
Tão sobranceiro,
que o brasileiro
O vasto império confundindo está?!...
Venham teólogos, venham sábios... todos
venham troianos,
venham germanos,
Venham os vultos da Caldeia, lá!...

Oh! resolvei o mais atroz problema,
fundo mistério,
alto, sidéreo
Do gênio altivo na criança, ali!...
Vamos, natura, rasga o véu dos medos,
dizei ó mares,
falai luares,
Sombras dos bosques, respondei-me aqui!...
Astros da noite, tempestades, ventos
erguei as vozes,
falai velozes
Num som estranho, num clangor audaz!...
E respondei-me e explicai ao orbe
se essa menina,
que nos fascina
É um fenômeno ou outro tanto mais!...

Tudo emudece na natura imensa
e desde os Andes,
dos cedros grandes
Ao verme, à pedra, às amplidões do mar!...
Tudo se oculta na invisível raia
no espaço a bruma,
no mar a espuma
Vão-se esgarçando também, a se ocultar!...

Tudo emudece na natura imensa
quando na cena
surges serena
Como a visão das noites infantis!
Dos olhos vivos dos que são-te adeptos
bem como prata
eis se desata
A aluvião de lágrimas febris!...

É que tu tens esse poder superno
real, sublime
que até ao crime
Faz arrastar o mísero mortal!
É que tu és a embrionária horrível,
mística, ingente
que de repente
Fazes de um ser estúpido animal!...

Tudo emudece na natura imensa
desde nos campos
os pirilampos
Até as grimpas colossais do céu!...
Tudo emudece e até eu JULIETA,
já delirante
vou vacilante
Cair-te aos pés como um servil, um réu!!...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...