terça-feira, 7 de janeiro de 2020

Poemas de Santos Lostada



JULIETA DOS SANTOS

Há muito das brisas do Norte
Traziam a fama dum GÊNIO,
Tão colossal de proscênio
Quanto pequena de porte.

Assemelhando um cometa
Em ascensão, radiante
Vertiginosa e ovante
Surgiu enfim – JULIETA.

Em prismas bem reluzentes
Como mágica lanterna,
Essa criança superna
Faz vistas bem diferentes.

A olhos nus, vista a parte
— E borboleta no lar!
E é um sol brilhar
Ao telescópio da arte.

Menina — tem quebrantos
Da sensitiva singela;
Artista — é lúcida estrela
Dos matutinos encantos!

Em casa — inocente filha
Em graciosa folgaça...
No palco — foi-se a criança
— Eleva-se a maravilha...

A JULIETA DOS SANTOS

E que tu tens o dom magnético do gênio...
Para prender o mundo a rampa do proscênio!

M. de Vasconcellos

Depois que alou-se ao Panteon de Glória
O colosso da cena — o João Caetano,
Mais que luas quem viu no céu da arte
Do mundo de Cabral?!
Surge Joaquim Augusto
E surgem mais e mais. Eram cometas.
Fraco luar apenas se derrama.
Eis que de repente,
Surge no oriente
Um sol radiante
De luz febricitante
Que o mundo assombra e arrebata
À proporção que crescer e se dilata.

E esse astro de luz, de luz dileta
És tu oh! JULIETA!

Quando pisas o proscênio
De crânio-vulcão as lavas do teu gênio
Acendem na plateia o mágico entusiasmo,
Que o sábio velho queda e deixa pasmo
A derramar uma lágrima tão doce
Como se angélica harmonia ouvindo fosse.

Ao fluido magnético da fala
Às elétricas faíscas
Que relampejam de teus olhos fulgurantes
E vão cair na plateia palpitantes,
Que de arrebatada
Sem a vista afastar do sol que brilha
Não se tem em pé nem assentada,
Cada peito estrebucha na golinha
Das convulsões patéticas do belo!

De épicos aplausos
O espectador fanatizado então
Sente na garganta um aluvião
Que vem e se desfaz
Na boca ressequida.
A alma embevecida
Sobe e sobe mais.
O coração palpita, treme
Se biparte, geme
E cai alucinado e arquejante,
Sem poder modular naquele instante
Nem um bravo sequer!

Oh! magno poder,
Misterioso encanto!
Da santa comoção
Borbulha mudo pranto!

Mas, eis que retumbante
Ergue-se o mar agitado que te aplaude,
A tempestade de palmas que rebrama.

***

Desdobrou-se o enredo. É findo o drama.

Então em furor descomunal,
No auge do delírio
O povo te coloca no empíreo
Da arte divinal.
É que tu és deste século a maga filha,
Dum esforço de Deus a maravilha!...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...