quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

Poetas Populares: Nicandro Nunes da Costa



NICANDRO NUNES DA COSTA
(1829-1918)

Nicandro, filho de Agostinho Nunes da Costa e Ana C. das Dores, era poeta glosador, improvisando com facilidade e muita rapidez. Fazia, em meia hora de improviso, longas poesias tão belas e tão perfeitas, que os nossos trovadores de hoje não as farão em um dia ou mesmo numa semana de estudos!...

Nicandro, foi o príncipe dos poetas populares do seu tempo; todos o admiravam e ninguém se aventurava ao desafiar na glosa, porque tinha a certeza de ser vencido; o único que o enfrentava era Bernardo Nogueira, mas sempre tratando-o por mestre. É que Nicandro sendo mais letrado e tendo seguros conhecimentos de Mitologia e História Sagrada, sabia bem aplicar esses conhecimentos na sua poética. Era, agricultor e ferreiro, homem honrado e pacato. Um dia, avisaram-lhe de que estava sendo processado, na Comarca de São João do Cariri, como mandante na tomada do preso Manoel Queiroz, da cadeia local.

Sem cumplicidade nesse fato e sem o dinheiro que move a justiça, resolveu fazer em a versos a sua própria  defesa. O juiz, lendo os versos que Nicandro lhe enviara autoados como razões, de sua defesa, pondo por terra a acusação, achou nos mesmos forte cunho de sinceridade e impronunciou o poeta.

Eis a defesa de Nicandro:

DEUS APRESENTE A VERDADE

Quem tem compaixão de nós
Nas terríveis aflições?
Quem os nossos corações
Vê e escuta senão Vós?
Sabeis que eu não fui atroz
Oh! Suprema Divindade!
Já que sois Juiz de Bondade,
Minha causa vos entrego;
A quem julgar como cego;
“Deus apresente a verdade”.

Não queiras, homem negar
A verdade a Deus aceita.
Nem te vai bem a suspeita
Por verdade acreditar.
Nada se pode afirmar,
Sem ter a realidade;
Portanto, ó Deus de Bondade,
Não queirais na terra ver
Eu ir pagar sem dever;
“Deus apresente a verdade”.

A VÓS nada é obscuro,
Tudo vedes, claramente:
Se a Vós é claro o presente,
Mais claro inda é o futuro!
Não vive o homem seguro
Da calúnia e falsidade...
De mim, por humanidade,
Tende dó, ó Bom Jesus,
Aonde há falta de luz,
“Deus apresente a verdade”

Padre Eterno — Deus clemente —
Em pessoas três distintas,
Justo és, Senhor; não consintas
Eu ir pagar inocente,
Um foco claro e luzente.
Lá da Vossa majestade,
Enviai, por piedade:
Vede quanto o gênero humano
Está sujeito ao engano!
“Deus apresente a verdade”.

Deu, Tomé ao morto vida:
O qual diz publicamente
Que Tomé era inocente
E qual foi o homicida:
O mesmo Santo decida
Desse ato à realidade;
Se há falta de claridade
Nalguns fatos duvidosos,
Como esses enganosos;
“Deus apresente a verdade”.

Se eu paguei, se eu fiz ensaio,
Se eu soube ou fui avisado
Que esse homem era tomado,
Caia sobre mim um raio!
De aqui não fujo e nem saio.
Deus me vê em toda parte;
Venenoso bacamarte
Se dispare e me espedace.
Uma Espada me traspasse,
Se nisso eu tomei parte!

***

VERSOS DE NICANDRO SOBRE A ESCRITURA SAGRADA

“Deus quando o mundo formou”

Tendo as águas ao mandado
Do Eterno, obedecido,
Esse elemento crescido,
Procurou seu agregado;
Ficou o campo enlameado.
Bicho ali inda não pisou.
Depois que a terra enxugou.
Seu autor tirou um bolão.
Bafejou-o e fez Adão,
“Deus quando o mundo formou”.

Formando primeiro Adão
Tirou-lhe a mulher dum lado;
O nome de Eva foi dado
À mãe de toda geração;
Inda não havia ambição.
Deus aos dois abençoou,
No Paraíso os deixou;
Inferno inda não havia,
Lusbel no céu residia,
“Deus quando o mundo formou”.

 “Deus provou maior encanto,
Quando o mundo quis formar:
Convidou para o ajudar
O Filho e o Espírito Santo;
Deu a Adão um belo manto,
Que muitos anos durou;
Só o perdeu quando pecou,
Comendo o fruto vedado;
Não havia inda pecado,
“Deus quando o mundo formou”.

Para abater o inferno,
Deus uma virgem enviou;
E de graças a ornou
Com seu poder sempiterno.
Ordenou o Pai Eterno,
Lá de sua jerarquia:
Que Isabel nascer devia,
Aos cinco de novembro;
E a oito de dezembro
A conceição de Maria.

Trêmulo a cabeça inclino.
Tocando-me ao coração,
A grande revelação
Do sábio oráculo divino;
De acordo com o “vaticino”,
Foi ela enriquecida
De dons, antes de nascida,
Para ser de São José,
Esposa, e templo de fé,
Foi Maria concebida.

Da serpente invejosa,
Que a Eva enganou,
Maria Virgem pisou
Na cabeça venenosa;
Desejou morder, raivosa
Essa serpente infernal
À rainha Universal
Que virgem e pura pariu
E virgem ao céu subiu.
Sem pecado original.

Deu luz ao Autor da vida,
Para uma mãe, que ventura!
Virgem santa, casta e pura,
Foi Maria concebida:
Da graça de Deus ungida,
O tormento corporal,
No seu ventre maternal,
Não sentiu quando encarnou
Sendo mãe virgem ficou.
Sem pecado original.

Não se salvava Moisés,
Nem Tobias, nem Jacob,
Nem José do Egito e Jó,
Simão, Jonas, Manassés,
Nem David, nem Afarés,
Nem o pai velho Abraão,
Nem Isaque nem Aarão,
Quantos tivessem vivido,
Se não tivesse nascido
A Virgem da Conceição.

Apareceu uma luz,
Cobriu-se de raiva Herodes...
Entrar no Céu tu não podes
Sem auxílio de Jesus.
Ele o remédio conduz
Para todo o pecador
Que contrito aos seus pés for
O remédio procurar;
Para este mundo salvar
Foi nascido o redentor.

Viu Eva enganando Adão,
Viu o fruto proibido
Ser por Eva e Adão comido,
E se oferece em redenção;
Viu do povo a ingratidão.
Viu da plebe a tirania,
De Pilatos a ousadia,
Pedro três vezes negar.
Viu Judas o entregar,
Jesus, filho de Maria.

O mundo em trevas vivia.
Veio nos trazer a luz,
O adorável Jesus,
Filho da Virgem Maria,
Trouxe paz, trouxe alegria,
A quem estava na incerteza,
Jesus de sua nobreza.
Desceu para nos remir,
E as portas do Céu abrir;
Bom Jesus, pai da pobreza!

***

A ÚLTIMA PELEJA DE NICANDRO COM NOGUEIRA

Nicandro — Eu saí da minha casa
Fui visitar o Nogueira
Me disseram que ele s’tava,
Na sua hora derradeira
Foi certo, pois o achei
C’o a vela na cabeceira.

 — Meu colega, estás doente
Pois eu vim te visitar,
Se teu mal for muito grave
Não o posso remediar.
Porém, amigo sincero
Eu venho te consolar.

Nogueira — Colega Nicandro, adeus
Eu fico muito obrigado
Em te abalares a vir
Visitar o teu criado.
É chegada a minha hora.
Porem estou consolado.

Nicando — Nogueira qual o teu mal
Eu quero muito saber,
Se não te trago remédio
Mas desejo o conhecer,
Quem não tem pena do próximo
Não se lembra de morrer.

Nogueira — É muito grande o meu mal;
Eu me acho esmorecido,
Parece que o meu corpo
Por dentro é todo moído.
Doe-me a cabeça e o rosto.
Pés, mãos, olhos e ouvido.

Nicandro — Quem era como Nogueira
Que quando ele falava
O povo todo em silêncio
Admirado ficava:
Qual o ronco do trovão
A sua voz ecoava!

Nogueira — Meu colega, o homem são
Não é igual ao doente.
Fala o doente sem força,
O são arrogadamente.
Vive o doente gemendo
E o são vive contente.

Nicandro — Isto é certo, meu colega.
Chegou afinal teu dia.
Porém ainda tens vivo
O estro da poesia,
Conheces o paganismo!
E entendes mitologia!

Nogueira Da vida, a doença tira
Todo o gozo e prazer,
Mas com o poeta fica
Arte de versos fazer
O estro da poesia
Com ele há de morrer.

Nicandro Baco também era Deus
Vulcano, Apolo, Netuno,
Saturno, Marte, Plutão,
Vênus, Minerva e Juno,
Haver tanto Deus na fabula.
Isso é o que eu “repuno.”

Nogueira — Ora isso não é nada;
Houve mais Júpiter e Reia
Que teve o filho alimentado
Pelo leite d’Amalteia;
O sol era o Deus Febo
A quem adorou Nemeia.

Nicandro Minos, Rhadamanto e Acho,
Cada um juiz superno
Segundo a idolatria
E seu fabuloso inferno;
Não tinham veneração
Ao supremo Deus Eterno.

Nogueira — Bucolion desposou
As ninfas e as Náiades.
E nos bosques habitava
Diana com as Dríades,
E muitas honras tiveram
Os heróis Abatíades.

Nicandro   Netuno era Deus dos mares
E dos infernos Plutão,
Vulcano coxo da perna
Forjava raio e grilhão,
Com o pomo da discórdia
Minerva fez confusão.
Nogueira — Meu colega eu sou cristão
Tive a água do batismo,
Tenho fé que essa água
Me livrará do abismo,
Não sigo a lei de Lutero
Nem também a do ateísmo.

Nicandro    Eu sei que tu és cristão
E segues a lei católica.
Segues a Santa Doutrina
Da nossa crença apostólica.
Foges do maometismo
E da crença diabólica.

Nogueira No tempo que eu podia
Sempre busquei confissão,
Mas logo vi-me em trabalho
E fugi de reunião,
Tenho medo de cair
Dentro de uma prisão.

Nicandro   Tenho fé, meu bom colega,
Que Deus, senhor de bondade,
Conhece mais do que nós,
Da sorte a diversidade,
Ele te dará perdão
Na suprema Eternidade.

Acho boa esta doutrina,
 — É lição de nossos pais,
O homem que é cristão,
E crê em Cristo, assim faz,
Seguindo este caminho.
De errar, ninguém é capaz.

Nogueira — Só não ia em toda igreja
Temendo uma traição,
Porque se fosse cercado
Não me entregava a prisão.
Desobedecia à força
E também ao capitão...

Nicandro — Não estás errado. Nogueira,
No teu modo de pensar;
Preso, nem p’ra comer doce,
 — Quem quiser vá esp'rimentar,
Se o doce for de açúcar
Na boca há de amargar.

Nogueira Já bebi desse xarope
Quando caí na prisão;
Boi solto se lambe todo,
Preso, de algema e grilhão,
Não bebe às vezes que quer
Nem sempre encontra ração.

Nicandro — De perigos e trabalhos
O homem deve fugir.
Fecham-se as portas da paz,
Vê as do cárcere se abrir
E o tronco já aberto
O grilhão pesado tinir.

Nogueira — Se é casado não se deita
Em os braços da consorte,
Não goza mais seu agrado,
Terrível é sua sorte
Entre a forca e a guilhotina
Deus lhe dê uma boa morte.

Nicandro — Nogueira, uma boa morte,
Vinda pelo Criador,
Havendo arrependimento
Em falta do confessor,
Morre alegre o moribundo
Consolado com a dor.

Nogueira — O meu mal provem da luta
Que eu tive com o Vicente:
Que raptou minha parenta
E ficou ali contente;
Pensando que eu tinha medo
Porque ele era valente.

Aonde ele, ‘stava eu fui
Buscar a depositada,
Disse-me o dono da casa:
Não lh’a entrego nem por nada.
Só depois de muita luta.
Tiro, talho e cutilada.

Nisto saltou o Vicente
E o noivo seu irmão;
Eu só com ele lutei
E os outros com o João,
Quando a luta se acabou
O noivo estava no chão.

Eu só, lutei com o Vicente
Fora dos meus camaradas,
Vicente com uma faca
Deu em mim duas furadas,
Eu com meu espadagão
Lhe dei muitas cutiladas.

Nisto eu ouvi dizer:
Matamos o valentão!
O Vicente bem ferido
Ficou estirado no chão,
Levamos a moça em paz
Feita estava a obrigação.

O Vicente no barulho,
Duas facadas me deu,
O que pude fazer fiz.
Porém nada me valeu,
Custaram muito a sarar
E é delas que morro eu.

Os 12 apóstolos de Cristo
Me toquem no coração,
Os sofrimentos da Virgem
Maria da Conceição,
No desamparo em que estou
Me ouçam em confissão.

Salvaram-se Madalena,
E Dimas o bom ladrão:
Foi concedido ao Longuinho
A sua vista e perdão;
O anjo de minha guarda
Me ouça de confissão.

Meu Jesus, meu Redentor
Me dê firme contrição,
E o sangue que caiu
Da Cruz, ensopando o chão
Perante as três potências
Me ouçam de confissão.

Quero a imagem do senhor
Meu Jesus crucificado,
Porque na hora da morte
Quero tê-lo a meu lado
Para pedir-lhe perdão
De tudo quanto é pecado”.

Nicandro — E ali fechou os olhos,
Abriu a boca e expirou,
entregou sua alma a Deus,
Na terra o corpo deixou,
Deus o fez sair da terra
E em terra ele se tornou.

Nicandro com o Nogueira
Eram mesmo que irmão,
O parentesco que tinham
Era o de Eva e Adão;
Como Castor e Polux
Viviam em reunião.

Adeus, adeus, Pajeú
Meu extremado sertão,
Nunca mais verás Nogueira
Glosar em uma função,
Nem também verás Nicandro
Glosar com o copo na mão.

Padre Nosso Ave Maria
Reze todo o fiel cristão.
Pela alma de Bernardo
Que morreu sem confissão,
E ofereça-os a Deus
P’ra dar-lhe a santa mansão.

MOTE
Acabou se a. poesia
Porque morreu o Nogueira!

GLOSA
Meu estro em melancolia
Para o túmulo navega
Porque morreu meu colega
Acabou-se a poesia
Minha alma sem alegria
Vê em São José e Teixeira,
Afogados de Ingazeira,
O sertanejo e o matuto
Todos cobertos de luto
Porque morreu o Nogueira.

***


TUDO SÃO HONRAS DA CASA

Achavam-se na cidade de Patos, a glosar os cantadores Germano da Lagoa, Silvino Pirauá e seu irmão José Martins...

Glosavam entre si, quando um dos circunstantes lembrou-lhes glosar sob o tema seguinte: “Tudo são Honras da Casa”.

Estando com um copo na mão, José Martins improvisou:

Da casa viva a “furquia,”
Portas, batentes, frechais
E as criações naturais
Que a dona da casa cria;
Lençol, toalha, “rodia,”
Vasilha funda e rasa,
Fogão, lenha, cinza e brasa,
Linha, tijolo e parede,
Cama, travesseiro e rede,
“Tudo são honras da casa.”

E no mesmo tom, continuou Germano:

Da casa viva a fronteira,
Calçada, quina e oitão,
Armário, baú, caixão.
Sala, corredor, traseira.
Quartinha, pires, chaleira,
E o bico por onde vasa,
Torno, pote, copo e aza,
“Chixelo”, botina e meia,
Caibros, pregos, ripa e “teia”
“Tudo são honras da casa.”

Silvino Pirauá beijou o copo e disse:

A honra mais importante
Que na casa dá um dom,
é um homem honesto e bom,
com uma esposa brilhante;
o poeta vigilante
Faz o verso e não se atrasa,
Glosador não me enviasa,
Nem me faz sair da linha;
Quarto, secreta, cozinha,
Tudo são honras da casa.

Germano da Lagoa entusiasmando-se, improvisou a seguinte estrofe:

Se houver poeta no lugar
Que faça mais seis ou sete,
Eu dou a cara a bufete,
Dou os olhos a furar,
Dou o pescoço a cortar,
Arrisco a própria cabeça!
Digo para que se conheça;
Nem Nicandro e nem Nogueira,
Nem na América Brasileira
Eu duvido que apareça!

O cantador Antônio Batista Guedes, obtendo uma cópia desses versos mandou-os ao seu tio Nicandro, pedindo-lhe que desse uma resposta na altura do insulto, ao atrevido Germano da Lagoa, que o julgava incapaz de fazer mais seis ou sete versos sob o tema “Tudo são Honras da Casa”.

Nicandro sentindo-se ferido no seu amor próprio, e defendendo a memória de seu colega Nogueira  — já falecido, respondeu-lhes, com a poesia que se segue:

Pensaste ter esgotado
A fonte da inspiração
E no reinado de Plutão
Ter os poetas trancado,
Teres Apolo amarrado
No cume dum alto monte:
E no coche de Faetonte
Corrido todo o universo;
Com as musas inda converso
Bebo ainda água da fonte...

 — “O Nogueira já morreu,
O Nicandro está caduco;
Vou fazer dele um maluco,
Um bestunto, um pai Mateu?
Um figura de Asmodeu! — ”
Pois estais mal entendido
Ouço, ainda tenho ouvido
Vejo, ainda não sou cego;
E meu lugar eu só entrego
Quando perder o sentido.

Nogueira com esse insulto
Cresceu tanto o coração
Que fez pipocar o chão!
Veio à testa do “tumulto”,
Olhou, mirou, não viu vulto,
P’ra lhe dar combate ou guerra.
Subiu serra, desceu serra,
Voltou outra vez p’ra traz,
E foi zombar junto c’o os mais
Defuntos dentro da terra.

Júpiter é filho de Reia
E Reia, mãe de Netuno.
E Netuno, irmão de Juno,
E Juno, Deusa de Deofeia
Salva a pátria Androcleia;
Quem te inspirou esta cena?
Não foi Tágides, nem Camena,
Não foi não, estavas sozinho...
Escuta por um pouquinho
Os rasgos da minha pena:

A casa p’ra ser honrada
De rica ou pobre família
Deve ter uma mobília
Completa sem faltar nada;
Ter punhal, facão espada,
Pelouro que tudo abrasa,
Que destrói, derriba, arrasa;
Bancas de armas, torneiras,
Pistolas e granadeiras,
Tudo são honras da casa.

No salão toca o piano,
E pendem de todos lados
Os quadros dependurados.
Alcatifas de bom pano,
Leques dourados de abano,
Jarra que de fria vasa
Trono onde a alma se “estaza,”
No oratório de oração
Da Virgem da Conceição;
“Tudo são honras da casa”.

Grelha, espeto, frigideira,
Tesoura, agulha, dedal,
Mesa, muro, horta, quintal,
Bule, prato, choc’lateira,
Caldeirão, tacho, sopeira;
Meu estro em rimar se apraza,
Não deixo nem uma vasa
Para entrares na espadilha;
Novela, Bíblia, cartilha:
“Tudo são honras da casa”.

Concha, almofariz, pilão,
Talheres, açucareiro,
Lamparina, candeeiro,
Salva, frasco, garrafão
Meu estro no escuro chão.
Por enquanto inda não jaza;
Nem me faz perder a rima,
Viola, bordão e prima,
“Tudo são honras da casa”.

Banca, tripeça, cadeira,
Pena, papel e tinteiro,
Alfinete e agulheiro,
Cesto, urupema, peneira,
Com licença da caseira
Canta modinha a rapaza,
As contas no fio engaza.
Menina formosa e bela
Inda virgem, inda donzela:
“Tudo são honras da casa”.

Não deve o homem brigar
Com arma destemperada,
Vai dar uma cutilada,
Se vira ou se ver quebrar,
Não pode intento tirar
Quem na cena ler avante;
Se teimares conspirante
Nesse intento denodado
Ficas desmoralizado
Passas por ignorante.

Um quinau, uma lição
Faz corrigir o aluno
Como o aviso de Netuno
Ao corneteiro Tritão;
Para o discípulo, aflição
Mas, para o mestre é glória,
Na aula tive a vitória
Fiquei por decurião
Agora da cá a mão
E te sujeita à palmatória...

Duas faltas encontrei
Nos versos que me mandaste,
Contra a arte pecaste
Quando dois erros achei
Os quais eu anotarei
Por estarem de parelha;
Repara quem te aconselha
Na rimação da poesia:
Forquilha não dá com cria,
Nem meia rima com telha.

Na arte metrificação
Se não pecaste, porém,
Eu te afirmo — que tem
Erro e grande em rimação,
La vai mais uma lição
A quem vive andando à cega;
É um conselho de colega
Aos poetas dispersos:
Nove vezes lê teus versos

Para então fazer entrega.


---
Fonte:
Francisco Chagas Batista: “Cantadores e Poetas Populares” (1929)
Pesquisa e atualização ortográfica: Iba Mendes (2020)

2 comentários:

  1. O Nicandro Nunes Da Costa, meu bisavô, tem dois escritores escrevendo livro com os descendentes dele.

    ResponderExcluir
  2. Nicandro Nunes da Costa, irmão do meu bisavô, Aantonio Ugolino Nunes da Costa.
    Abraços a todos da familia nunes da costa.

    ResponderExcluir

Sugestão, críticas e outras coisas...