segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Camilo Castelo Branco - Estudo sobre Camões



ESTUDO SOBRE CAMÕES (APONTAMENTOS BIOGRÁFICOS)
O protagonista do sempre formoso poema de Almeida Garrett é um Luís de Camões romântico, remodelado na fantasia melancólica dum grande poeta exilado, amoroso, nostálgico. A ideal tradição romanesca impediu, com as suas névoas irisadas de fulgores poéticos, passante de duzentos e cinquenta anos, que o amador de Natércia, o trovador guerreiro, fosse aferido no estalão comum dos bardos que imortalizaram, a frio e com um grande sossego de metrificação, o seu amor, a fatalidade do seu destino em centúrias de sonetos. Garrett fez uma apoteose ao gênio, e a si se ungiu ao mesmo tempo príncipe reinante na dinastia dos poetas portugueses, criando aquela incomparável maravilha literária. Ensinou a sua geração sentimental a ver a corporatura agigantada do poeta que a crítica faciosa de Verney e do padre José Agostinho apoucara a uma estatura pouco mais que regular.

Camões ressurgiu em pleno meio-dia do romantismo do século XIX, não porque escrevera Os Lusíadas, mas porque padecera duns amores funestíssimos. O século XVIII citava-o apenas nos livros didáticos, e nas academias eruditas, como exemplar clássico em epítetos e figuras da mais esmerada retórica. Tinha caído em mãos esterilizadoras dos gramáticos que desbotam sapientissimamente todas as flores que tocam, apanham as borboletas, pregam-nas para as classificarem mortas, e abrem listas de hipérboles e metáforas para tudo que transcende a legislatura codificada de Horácio e Aristóteles.
Luís de Camões, qual o figuram Garrett no poema trágico e Castilho no drama ultra-romântico, e as musas indígenas e forasteiras nas suas contemplações plangentes, é o que se requer que seja o mártir do amor, o soldado ardido, o talento menoscabado pela camarilha dos reis. Os maviosos sentimentalistas afizeram-nos a estas cores prismáticas — às refulgências das auroras e dos luares teatrais. Mal podemos encarar o nosso Camões a uma grande luz natural. Queremo-lo na tristeza crepuscular das tardes calmosas, na mesta solidão dos mares, nas saudades do desterro no desconforto das primeiras precisões, vivendo da mendicidade do Jau — do escravo, como se alguma hora houvesse em Portugal escravos de procedência asiática — e das economias da preta, arrastando-se sobre muletas do adro de São Domingos para o catre do hospital.
Quem nos mostrar Camões à luz com que a história e a crítica indutiva elucidam as confusas obscuridades dos homens extraordinários — e por isso mais expostos à deturpação lendária — poderá avizinhar-se da verdade; mas, do mesmo passo, se desvia da nossa inveterada opinião, e talvez incorra em delito de ruim português.
Eu me vejo neste perigo e não me poupo às eventualidades da ousadia. Pretender exibir novidades inferidas de fatos comparados e probabilidades em uma biografia tantas vezes feita e refeita, será irrisório atrevimento quando mas puderem contraditar com provas solidamente cimentadas. O que não parecer novo nestes traços será uma justificada emenda aos erros dos biógrafos antigos e recentes em que nomeadamente avultam os senhores visconde de Juromenha e doutor Teófilo Braga que segue muito confiado aquele douto investigador com uma condescendência extraordinária para escritor que tanto averigua.
***

Direi primeiro do amor meio lendário de Luís Vaz de Camões a D. Catarina de Ataíde, como causa essencial da sua vida inquieta e dos reveses da sinistra fortuna procedentes desse desvio da prudência na mocidade.

Diogo de Paiva de Andrade, sobrinho do celebrado orador, deixou umas Lembranças inéditas que passaram da opulenta livraria do advogado Pereira e Sousa para o meu poder. Diogo de Paiva nascera em 1576. É contemporâneo de Camões.
Conheceu provavelmente pessoas de convivência do poeta. Poderia escrever amplamente, impugnando algumas notícias de Mariz, de Severim e de Manuel Correia.
Era cedo, porém, para que o assunto lhe interessasse bastante. Na juventude de Paiva, as memórias de Camões não tinham ainda atingido a consagração poética de que se formam as nebulosas do mito. Diogo de Paiva pouco diz; mas, nessas poucas linhas, há duas espécies não relatadas pelos outros biográficos:
Luís de Camões, poeta bem conhecido, tendo 18 anos, namorou Catarina de Ataíde, e principiou a inclinação em 79 ou 20 de abril, do ano de 1542, em sexta-feira da semana santa, indo ela à igreja das Chagas de Lisboa, onde o poeta se achava. A esta senhora dedicou muitas das suas obras, e ainda que com diferentes nomes é a mesma de que fala repetidas vezes. Foi depois dama da rainha D. Catarina, e continuando os amores com boa correspondência, um dou ela de objeto para os agrados de que Camões se queixa em suas composições. Por estes amores foi quatro vezes desterrado: uma de Coimbra, estando lá a corte para Lisboa; outra de Lisboa para Santarém; outra de Lisboa para a África; e finalmente de Lisboa para a Índia, donde voltou muito pobre, sendo já falecida D. Catarina, por quem tão cegamente se apaixonara.
O desterro de Camões de Coimbra, onde estava a corte, é a novidade que não pude conciliar com o fato de ter residido D. João III em Coimbra nos anos imediatos a 1542, ano em que o poeta vira D. Catarina na Igreja das Chagas. Os impressos que consultei, e não foram poucos, não me esclareceram. Sei tão-somente que o rei esteve em Coimbra por 1527 e 1550. Nesta segunda data já Camões se repatriara do segundo desterro em África. Quanto à inconstância da dama da Rainha — novidade de mais fácil averiguação — os fatos que vou expender a persuadem coerentemente.
D. João III, o rei-inquisidor, e piedoso por antonomásia, antes de fazer um filho em Isabel Moniz, fizera outro em Antônia de Berredo. Eram ambas de linhagem ilustre. A primeira finou-se num convento da Guarda, sem ter visto seu filho Duarte que, aos 22 anos, morreu arcebispo de Braga. A segunda ficou na corte, e achou marido de raça fina, sem embargo da concubinagem real, agravada pelo ato da sua notória fecundidade. A criança tinha morrido. Os nobiliaristas chamaram-lhe Manuel e ocultaram-lhe o nome da mãe, visto que ela propagou altos personagens, sujeitos envergonhados.
Antônia de Berredo casara com um viúvo rico e velho, Antônio Borges de Miranda, senhor de Carvalhais, Ílhavo e Verdemilho, que de sua primeira mulher, da Casa de Barbacena, tivera dois filhos, a quem competia a sucessão dos vínculos. D. Antônia concebeu do marido, e deu à luz um menino que se chamou Rui Borges Pereira de Miranda. O marido faleceu. Os filhos do primeiro matrimônio, Simão Borges e Gonçalo Borges foram esbulhados da sucessão dos vínculos — um estrondoso escândalo em que influiu o arbítrio despótico do rei a favor do filho da sua amante.
Apossado iniquamente dos senhorios de Carvalhais, Ílhavo e Verdemilho, Rui Borges, filho de Antônia de Berredo, afeiçoou-se a D. Catarina de Ataíde, filha de Álvaro de Sousa, veador da Casa da Rainha, senhor de Eixo e Requeixo, nas vizinhanças de Aveiro. D. Catarina era pobre, como filha segunda; seu irmão André de Sousa era um simples clérigo, prior de Requeixo; o senhor da Casa era o primogênito Diogo Lopes de Sousa.
D. Catarina aceitara o galanteio do poeta Luís Vaz de Camões, talvez antes de ser requestada por Borges de Miranda. O senhor de Ílhavo, rivalizado pelo juvenil poeta, sentia-se inferior ante o espírito da dama da Rainha. Seria um estúpido consciente: queixou-se talvez à mãe. Não é de presumir que a mulher de D. João m se aviltasse protegendo o galanteio repelido do filho da Berredo — amante notória de seu marido; mas é natural que a mãe de Rui Borges recorresse direta e clandestinamente ao rei solicitando o desterro do perigoso êmulo de seu filho. Assim pôde motivar-se o primeiro desterro de Camões para longe da corte, e o segundo para África em castigo da teimosia dele e das vacilações de Catarina de Ataíde na aceitação do opulento Rui Borges, — vacilações transigentes com a riqueza do rival do poeta pobre, a meu ver. A dama não seria muito escoimada em primores de fidelidade. Das damas da corte de D. João III, dizia Jorge Ferreira de Vasconcelos: “todas são mui próvidas em não estarem sobre uma amarra por não ser como o rato que não sabe mais que um buraco” — e talvez pensasse em Camões quando escrevia: “Ele cuida que por discreto e galante há de vencer tudo; eu quisera-lhe muito mais dinheiro que todas suas trovas, porque este franqueia o campo, e o tal é martelar em ferro frio.”
Saiu Camões para a África em 1547, e lá se deteve proximamente dois anos.
Quando regressou, a dama da rainha era já casada com Rui Borges e vivia na casa do esposo convizinha de Aveiro, entregue ao ascetismo, sob a direção de Frei João do Rosário, frade dominicano.
Subsistem umas Memórias comunicadas a Herculano em 1852, e datadas em 1573 por aquele frade, nas quais o confessor revela que D. Catarina, quando ele a interrogava acerca do desterro de Camões por sua causa, a esposa discreta de Rui Borges respondia que não ela, mas o grande espírito do poeta o impelira a empresas grandiosas e regiões apartadas. Esta resposta, um tanto anfibológica, argui e justifica o honestíssimo melindre da esposa.
Se respondesse: “fui a causa de seu desterro”, daria testemunho menos nobre da sua ingratidão, e teria de corar como esposa voluntária de Rui Borges, como treda amante do desditoso poeta, e ainda como filha espiritual do frade nimiamente indagador que várias vezes e indelicadamente a interrogava sobre o caso melindroso: E “todas as vezes que o poeta desterrado por sua razão lhe falava...” — escreve Frei João do Rosário.
O arrependimento, o tédio e a saudade não a mortificaram longo tempo. Morreu Catarina de Ataíde em 28 de setembro de 1551, e foi sepultada na capela-mor que dotara no Mosteiro de São Domingos de Aveiro em sepultura que talvez mandasse construir.
Já não sinto, senhora, os desenganos
Com que minha afeição sempre tratastes,
Nem ver o galardão, que me negastes,
Merecido por fé há tantos anos.

A mágoa choro só, só choro os danos
De ver por quem, senhora, me trocastes!
Mas em tal caso vós só me vingastes
De vossa ingratidão, vossos enganos.

Dobrada glória dá qualquer vingança,
Que o ofendido toma do culpado,
Quando se satisfaz com causa justa;

Mas eu de vossos males a esquivança
De que agora me vejo bem vingado,
Não a quizera tanto á vossa custa.
Semelhante soneto dirigido à outra D. Catarina de Ataíde, dama do paço que morreu solteira, não tem explicação. Claro é que Luís de Camões alude à mulher que o vinga padecendo as mágoas resultantes duma aliança em que ele foi ingratamente sacrificado. À outra dama que morreu, estando para casar, segundo a versão colhida pelos primeiros biógrafos, não diria Camões:
a vingança
Não a quisera tanto à vossa custa.
Como o vingaria ela, desconhecendo as tristezas de casada que não chegou a ser? Era mister que se desse mudança de vida irremediavelmente aflitiva e remordida de arrependimento para que o poeta se ufanasse de vingado, — e tanto que implicitamente lhe perdoa. O soneto que trasladei não atraiu ainda notável reparo dalgum biógrafo, sendo a página mais para estudo nos amores de Camões. Antes do generoso soneto, quando a julgava contente, Camões exprimia-se de mui diverso teor. O ciúme, o despeito e a cólera desafogara noutros versos perdoáveis à dor, mas somenos fidalgos. Chamou-lhe cadela.
O viúvo Rui Borges passou logo a segundas núpcias como quem procura em outra mulher a felicidade que não pudera dar-lhe a devota Catarina absorvida no misticismo, como num refúgio aos pungitivos espinhos da sua irremediável ingratidão.
O poeta granjeara inimigos na corte. Deviam ser os Berredos e os parentes de Rui Borges de Miranda. Entre os mais próximos deste havia um seu irmão bastardo, Gonçalo Borges, criado do paço, a cargo de quem corria a fiscalização dos arreios da Casa Real. Teria sido esse o espia, o denunciante das clandestinas entrevistas do poeta com a dama querida de seu irmão?
Em Maio de 1552, Gonçalo Borges curveteava o seu cavalo entre o Rossio e Santo Antão, no dia da procissão de Corpus-Christi, em que se mesclava um paganismo carnavalesco de exibições mascaradas. Dois incógnitos de máscara enxovalharam Gonçalo Borges com remoques. Houve um recíproco arrancar das espadas. Neste comenos, Luís de Camões enviou-se ao irmão de Rui Borges e acutilou-o no pescoço. O golpe, segundo parece, era a segurar; mas não deu resultados perigosos para o ferido. Camões foi preso; e, ao terminar um ano de cárcere, solicitou perdão de Gonçalo Borges que, voluntário ou coagido por empenhos, lhe perdoou, visto que não tinha “aleijão nem deformidade”. A Carta de perdão, produzida pelo Sr. Visconde de Juromenha, é datada em 7 de Março de 1553, e está integralmente copiada.
Dias depois, Luís Vaz de Camões safa para a Índia, na mesquinha posição de substituto dum Fernando Casado, e recebia 2.400 réis como todos os soldados rasos que embarcavam para o Oriente: e para isto mesmo prestou a fiança de Belchior Barreto, casado com sua tia. Aqueles 2.400 réis eram o primeiro quartel dos 9.600 réis, soldo anual do soldado reino!
Expatriou-se na humilhação dos mais desprotegidos. Devia de ter alienado a estima e o favor de amigos influentes, porque saía do cárcere rebaixado pelo desbrio com que implorara o perdão, e réu confesso de uma vingança por motivos menos honestos aos olhos dos velhos sérios, e desdourados na própria fidalguia pelas ribaldarias amorosas dum mancebo de nascimento ilustre. Se Luís de Camões embarcasse para a Índia como o comum dos mancebos fidalgos, receberia 300 ou 400 cruzados de ajuda de custo.
A família "Camões", no reinado de D. João III, esteve relegada da consideração da corte. O mais notável dessa família, o crúzio D. Bento, prior-geral da sua Ordem, gozou apenas a prelazia monástica, mas sem influência civil dalguma espécie. Simão Vaz de Camões, parente do poeta, senhor dum morgado mediano, era, por esse tempo, um libertino espiado pela justiça, desonrado por delitos graves e alianças matrimonialmente ignóbeis. Os outros ramos vegetavam obscuros; e alguns dessa família que militaram na Ásia não alcançaram alguma qualificação notável nos minuciosos anais de Gaspar Correia. Diogo do Couto nem sequer os nomeia.
No reinado de D. João II, Antão Vaz, avô do poeta, casara com D. Guiomar da Gama, parenta de Vasco da Gama, a quem seguiu à Índia, capitaneando uma caravela, talvez escolhido por Vasco, em atenção ao parentesco. O herói d’Os Lusíadas enviou Antão Vaz embaixador ao rei de Melinde, a cumprimentá-lo, a levar-lhe presentes e a concertar as pazes.6 Luís de Camões, com rara modéstia, omite o nome de seu ilustre avó; dá-lhe, porém, predicados de elegância oratória e compraz-se em o fazer discursar largamente. Na dilação do discurso transluz uma lícita vaidade. Vasco
Manda mais um, “na prática elegante”,
Que co rei nobre as pazes concertasse
.............................................................
Partido assim o “embaixador prestante”,
.............................................................
Com estilo que “Palas lhe ensinava”
Estas palavras tais falando orava.

Nenhum biógrafo, que me conste, aproximou ainda a passagem do poema do nome do embaixador Antão Vaz. Verdade é que João de Barros. Damião de Góis e o bispo Osório escondem o nome do enviado; e a maioria dos biógrafos não conheceu os manuscrito de Gaspar Correia, nem consultou senão os expositores triviais. Antão Vaz, como se lê noutros trechos daquele prolixo cronista, é sempre o preferido nas mensagens em que é essência o discurso. Conhece-se que Vasco da Gama o reputava eficaz no dom da palavra. Passado o ano de 1508 não tenho notícias dele, nem sei que se avantajasse no posto com que saiu do reino, comandante de caravela, em 1502. Provavelmente não fez fazenda, como lá se dizia na Ásia, ou porque tinha espíritos por demais levantados da terra nas asas da eloquência, como se depreende do conceito do neto, ou porque pertencia à raça ainda generosa e desinteressada dos primitivos soldados do Oriente. O certo é que a sua descendência, filho e neto, não inculcam herdar-lhe os haveres.

***
Posto que na Carta de perdão se diga que o pai do soldado, Simão Vaz de Camões, cavaleiro-fidalgo, morava na cidade de Lisboa, isto não afirma que ele, no ano em que o filho embarcou, ali residisse. Simão Vaz estanciara muito pela Índia, e possuíra em Baçaim, em 1543, a aldeia de Patarvaly que D. João de Castro, vice-rei, lhe aforara por 60 pardaus. Estes aforamentos eram vitalícios e concedidos como remuneração de serviços a fidalgos pobres, porque, dizia o vice-rei, não dispunha doutra moeda. Falecido D. João de Castro, os governadores subsequentes Garcia de Sá e Jorge Cabral, insinuados por D. João III, que já vivia do expediente de empréstimos, anularam as concessões do vice-rei como nocivas aos interesses da monarquia. A aldeia de Patarvaly foi reivindicada para a Coroa, e a fortuna de Simão Vaz manifestou-se na pobreza da sua viúva e do seu filho único.

Pedro de Mariz e a série de biógrafos mais antigos testificam que Simão Vaz, tendo naufragado em terra firme de Goa, a custo se salvara e morrera depois nesta cidade. Ora, em 1552, a nau Zambuco varou no rio de Seitapor, a trinta léguas de Goa, salvando-se a tripulação. Seria essa a nau em que Simão Vaz de Camões ia novamente no engodo da fortuna esquiva? Se era, em Março de 1553, quando. Camões saiu do cárcere, a morte de seu pai não podia ainda saber-se em Lisboa. É certo que, nas Lendas de Gaspar Correia e Décadas de Couto, o nome de Simão Vaz é inteiramente desconhecido. Seja como for, é necessário expungir da biografia de Luís de Camões um Simão Vaz, residente em Coimbra, primo do poeta, que o Sr. Visconde de Juromenha por desculpável equívoco da homonímia reputou pai de Luís, descurando as induções da cronologia e todas as provas morais que impugnam semelhante parentesco.

Das poesias de Camões nada se depreende quanto aos seus progenitores. Em toda a obra poética e variadíssima do grande cantor não transluz frouxo sentimento filial, nem um verso referente ao pai. Em todos os seus poemas escritos na África e Ásia, na juventude e na velhice, não há uma nota maviosa de saudade da mãe. Os poetas da Renascença tinham esse aleijão como preceito de escola. Desnaturalizavam-se da família, da trivialidade caseira para se enaltecerem às coisas olímpicas. Gastavam-se na sentimentalidade das epopeias e das éclogas. O amor da família, se alguma hora reluz, não é o da sua — é o das famílias heroicas. Apaixonavam-se pelo mito, timbravam em nos comoverem com as desgraças de Agamêmnon ou Níobe. Isto não desdoura a sensibilidade do cantor de Inês e de Leonor de Sá; mas vem de molde para notar que do poeta para com seus pais não se encontra um endecassílabo que lhe abone a ternura. O mesmo desamor se verifica em todos os poemas coevos, quer épicos, quer líricos. Só uma vez em Diogo Bernardes se entrevê tal qual afeto de família a um irmão que professa na Arrábida, e em Sá de Miranda a um filho e à esposa mortos; mas de amor filial é escusado inquirir-lhes o coração nas rimas. Parece que o haverem sido um produto fisiológico do preceito da propagação os sentava de grandes afetos e respeitosa quem os gerou. Não os escandecia em raptos poéticos essa vulgar aliança de filhos a pais.
***
Luís de Camões achou-se bem, confortavelmente em Goa. As suas cartas conhecidas não inculcam nostalgia, nem a estranheza dolorosa do insulamento em região desconhecida. Rescendem o motejo, o sarcasmo e a vaidade das valentias. Não se demora a bosquejar sequer, com séria indignação, o estrago, a gangrena que lavrava no decadente Império Índico pelos termos graves de Simão Botelho, de Gaspar Correia, Antônio Tenreiro, Diogo do Couto e dos teólogos. Narra de relance e com frases jocosas as façanhas desses ignorados acutiladiços, as bazófias de Toscano, a moderada fúria de Calisto, e as proezas do duelista Manuel Serrão. Era este Serrão um ricaço de Baçaim, senhor de quatro aldeias, que fizera desdizer um bravo da alta milícia. Comprazia-se Camões nestas histórias façanhosas, chasqueando os pimpões de lá e os de cá, uns que nunca lhe viram as solas dos pés por onde unicamente podiam vulnerá-lo como ao herói grego. Acha-se tranquilo como em cela de frade pregador, e acatado na sua força como os touros da Merceana. Preocupava-o fortemente a bravura. Como a metrópole da Índia portuguesa, não havia terra mais de feição para chibantes. Escrevia Francisco Rodrigues da Silveira: “Dentro em Goa se cortam braços e pernas e se lançam narizes e queixadas embaixo cada dia e cada hora, e não há justiça que sobre o caso faça alguma diligência: dando por razão que o não permite a Índia, porque ceda qual pretende satisfazer-se por suas mãos de quem o tem agravado”.

Depois, as mulheres. As portuguesas caem de maduras, ou porque a lascívia as sorvou antes de sazonadas, ou porque vêm ao chão de velhas: — é opiniativa a inteligência do conceito picaresco. As indígenas são pardas como o pão de rala, têm uns palavreados que travam a ervilhaca, e gelam os mais escandecidos desejos. São carne de salé onde amor não acha em que pegue. Lembra-se das lisboetas que chiam como pucarinho novo com água, e manda-lhes dizer que, se lá quiserem ir, receberão das mãos das velhotas as chaves da cidade. De envolta com estas prosas facetas, envia um soneto e uma écloga fúnebres à morte dum amigo.
Esta carta encerra a nota melancólica duma frase de Cipião: Pátria ingrata, não terás meus ossos. Mas a comparação, para não ser um dislate de orgulho, era decerto um gracejo de Luís de Camões. Que lhe devia a pátria em 1553? Ele tinha 30 anos; escrevera poemas líricos excelentes, apenas louvados na roda dos palacianos e dos menos cultos. Ferreira e Sá de Miranda parece que não o conheciam. O bravo que saíra do cárcere com perdão de Gonçalo Borges a quem golpeara o cachaço, ou o toutiço, como disseram os físicos do exame, em verdade, confrontando-se com Cipião Africano, ao desterrar-se, não primava em pontos de modéstia. O seu avantajado e indiscutível direito à gratidão da pátria era um poema começado apenas, ou talvez ainda não tracejado. Camões tem ante si dezesseis anos para pleitear com Vasco da Gama a imperecedoura glorificação que lhe prepara. A pátria desconhecia ainda o seu grande acredor que se estava germinando no cérebro potentíssimo daquele seu filho  único filho que todas as nações cultas conhecem, e o máximo na imortalidade que tem de sobreviver à terra que cantou.
Os feitos valorosos de Luís de Camões na Ásia não tiveram a notabilidade que os cronistas do Oriente e de D. João III deram a lances insignificantes de homens obscuros. O difuso autor das Décadas, Couto, apenas o nomeia numa crise de pobreza convizinha da mendiguez. Os antigos biógrafos e comentaristas não o condecoram como quinhoeiro nos fastos das carnificinas memorandas. Seria grande elogio à primorosa probidade de Camões o excluí-lo desses canibalismos, dessa
... bruta crueza e feridade,
como ele invetiva na estância XCIX do canto IV.
Mas entrevejo na cerração de três séculos que o poeta, na apoteose do Albuquerque terrível e do Castro forte, elaborando a epopeia que sagrou em idolatria de semideuses uma falange de piratas, escrevia com as mãos lavadas de sangue inocente do índio, a quem apenas os conquistadores concediam terra para sepultura como precaução contra a peste dos cadáveres insepultos, quando não exumavam as ossadas dos reis indígenas na esperança de que lhas resgatassem com aljôfar e canela.
***
As suas composições satíricas aos festejos do governador Francisco Barreto parece-me que nunca seriam vistas dos ofendidos nem explicam ódios desnecessários à motivação dos infortúnios do poeta. Esse papel em prosa chegou a Portugal, incluso na carta que vinha com a candeia na mão morrer nas mãos do amigo. Os Disparates na Índia não ofendem, não individualizam, nem exprimem nitidamente a feição social.

São banais. O desterro para Macau é uma lenda. Não se desterra um inimigo desprotegido e desvalido com uma provedoria, cujo triênio afiançava uma riqueza relativa.
Provedor dos defuntos e ausentes de Macau, Luís de Camões fruía abundantes recursos para trabalhar com sossego, despreocupado, estudando a história e a geografia asiática nas Décadas de João de Barros, ao passo que cinzelava de primorosos lavores a epopeia arquitetada. O poeta gastava à medida dos proventos e talvez o que licitamente podia dispensar sem menoscabo da sua retidão. Mariz culpa-o de demasias nas liberdades consigo e com os outros: Gastador, muito liberal e magnífico, não lhe duravam os bens temporais mais que enquanto ele não via ocasião de os despender a seu bel-prazer. Mas nem a enchente de bens que lá granjeou (em Macau) o pôde livrar que em terra gastasse o seu liberalmente, e no mar perdesse o das partes em um naufrágio que padeceu terrível.
Sem umas intermitências de estouvanice dissipadora, e destemperada desordem de costumes, Camões seria a exceção do gênio. Tem o talento transcendentes crises vertiginosas, doidices sublimes que o extraviam da pauta do bom viver. Ele apreciava mais os gozos, a magnificência, as comoções do que os pardaus amuados na arca. Sabia que o arranjar dinheiro na índia era fácil, excluídos os escrúpulos. Disse-o. ele: Os que se cá lançam a buscar dinheiro, sempre se sustentam sobre água como bexigas; mas os que sua opinião deita à las armas Mouriscote como maré corpos mortos à praia, sabei que antes que amadureçam se secam. Parece pois que não procedeu com o espólio dos defuntos e o direito dos ausentes de modo mais zeloso e exemplar que o comum dos provedores das cidades asiáticas.
Os políticos, organizadores e residentes na índia, aconselhavam D. João III que nomeasse tesoureiro privativo para o espólio dos mortos, e obstasse a que os dinheiros passassem pelas mãos dos provedores. Logo citarei um exemplo desse alvitre que foi grande parte na acusação que Luís de Camões sofreu como delapidador dos espólios.
Acusado e chamado a Goa, sob prisão, pelo governador Francisco Barreto, antes de fechado o triênio da sua provisão, naufragou e perdeu os haveres próprios e os alheios de que lhe pediam conta. Recolhido à cadeia, instaurou-se-lhe processo para o capitularem e remeterem ao reino. Raramente, porém, os capitulados por culpa dessa espécie vinham ao reino.
Francisco Barreto, gabado exageradamente na sua honra e limpeza de mãos pelo bispo D. Francisco Alexandre Lobo e pelo Sr. Visconde de Juromenha, havia sido também concussionário quando, oito anos antes, governava Baçaim. Contra ordem expressa de el-rei D. João III desmoutava as matas e de mãos dadas com o feitor vendia ao Estado a madeira pelo triplo da quantia que lhe custava o corte — uma ladroeira que não o impediu de ser governador da índia, assim como Garcia de Sá, duas vezes preso como concussionário, substituiu no governo o honrado D. João de Castro. Em 1552 escrevia o veador da índia, Simão Botelho, a D. João III estas graves acusações de Francisco Barreto: “O capitão de Baçaim tomou tanta posse com os poderes que lhe Vossa Alteza mandou, que faz mercês em seu nome, como o vice-rei; vi-o por dois mandados seus: fez escrivão da fazenda a que pôs de ordenado cento e cinquenta mil-réis, sem licença do vice-rei, e mandou-lhe logo pagar um ano de antemão; paga quanto soldo quer... E conquanto Vossa Alteza defendeu por sua provisão que os capitães de Baçaim não cortassem madeira, não o quis Francisco Barreto deixar de fazer, mas antes pediu ao vice-rei, depois de a tirar, que lha tomasse para Vossa Alteza por avaliação; e custando-lhe a corja de dezoito até vinte pardaus, lha avaliaram a cinquenta e oito pardaus, em que se montou perto de dezoito mil pardaus de ouro, que se fez bem a sua vontade; e assim tinha certos cavalos seus, e vende-os no soldo, para que também lhe o vice-rei deu licença para se pagar dele, o qual comprou, em que se montou seis ou sete mil pardaus; e dizem alguns que estavam concertados ele e o feitor sobre estes ganhos, e por se agora desavirem se souberam estas causas e outras, e mal pela fazenda de Vossa Alteza... Aqui está o perfil do tão encomiado Francisco Barreto que pôs em justiça Luís de Camões. Daquele governador diz magnanimamente o Sr. Visconde de Juromenha: homem por todos os respeitos mui digno de ocupar um lugar tão elevado... E não acha motivo para que o poeta o censurasse apaixonadamente. Chamava-lhe “jovem”, e o Sr. Teófilo Braga também adjetiva de jovem o governador. Por quê? Francisco Barreto em 1548 saiu do reino Capitão-mor de três naus. Tão importante cargo não era dado a moços. Nove anos depois era provido no governo da índia. Orçaria por perto dos cinquenta anos — uma juventude realmente duvidosa.
Camões estava preso quando cessou o governo de Barreto. D. Constantino de Bragança deu-lhe liberdade, quer movido por compaixão do poeta, quer por induções de sua inocência. Livre deste perigo, Luís de Camões voltou à vida dos amores e das suciatas. Um dia, banqueteava os seus amigos: a primeira Cortina do jantar, espiritualmente suculenta, eram trovas. Fez poesias elegíacas à incógnita Dinamene, uma quem quer que fosse que morreu afogada.
Ah! minha Dinamene! assim deixaste
Quem nunca deixar pode de querer-te!...
Puderam essas águas defender-te
Que não visses quem tanto magoaste!...

Nesta dor, porém, deve descontar-se o que vai de artifício no ritmo, e de engenho calculado:

“... Torno a bradar “Dina...”
E antes que diga “Mene”, acordo e vejo
Que nem um breve engano posso ter.”

Cantou a baiadeira Luísa Bárbora, cativo
Da cativa gentil que serve e adora.

Sempre amores.

Diz ele sinceramente:

No tempo que de amor viver sola
Em várias flamas variamente ardia.

O Certo é que não há vestígios de lágrimas, nem sinais duma grande mortificação. Vivia de empréstimos. Miguel Rodrigues Coutinho embargava-o na cadeia por dívidas, e ele satirizava o fero Miguel armado com a sua espada de fios secos. Não caía aquele forte espírito a repelões de infortúnio. Transigia  com a desgraça como quem não pode queixar-se conscienciosamente da injustiça humana e da fatalidade das coisas. Arrostou os perigos do segundo encarceramento. A não se darem novos motivos, Camões não pudera ainda ilibar-se da nota de peculato, quando o conde de Redondo lhe deu liberdade.
Os senhores Visconde de Juromenha e Doutor Teófilo Braga, encarecendo a estima que o poeta granjeara com o vice-rei conde de Redondo, citam uma carta, escrita para o reino, em que o conde, falando do expediente do seu governo, mostra a consideração que lhe merece Camões, nesta passagem: “Remeto-me a São Domingos, e mando tirar os pregadores do púlpito para que venham despachar comigo os feitos; agora me valho algum tanto do provedor-mor dos defuntos.”
Este equívoco original do sr. visconde, como feição nova na história de Camões, é disparatado pelas incongruências que sugere. Como se há de crer que o vice-rei chamasse à mesa do despacho um ex-funcionário arguido de concussão no exercício da provedoria de Macau, e ainda não julgado nem absolto, porque, segundo Pedro de Mariz, devia vir para o reino capitulado — acusado em capítulos, ou, como hoje se diria, pronunciado? Concedido ainda que o ouvidor-geral de Goa o absolvesse de ambas as vezes que foi preso — o que se não prova, porque a sua liberdade foi ato arbitrário e porventura equitativo de dois governadores — como admitir que os magistrados se acamaradassem com o manchado ex-provedor dos defuntos no expediente dos negócios? Esta incompatibilidade facilmente se deslinda, e não viria a lume na obra erudita do Sr. Visconde de Juromenha, se ao versado escritor ocorresse que em. Goa havia um provedor-mor de defuntos e que esse devia ser o provedor a quem aludia o conde de Redondo. E, ade feito, esse magistrado era o licenciado Cristóvão Ferreira, homem probo, consoante o testemunho do veador Simão Botelho de Andrade que, em carta de 30 de Janeiro de 1552, dizia a el-rei D. João III: “...O ouvidor-geral André de Mendanha é infamado nesta terra acerca de peitas: pode ser que será mentira; e no mais do seu cargo parece que o faz bem: o provedor-mor Cristóvão Fernandes é muito bom homem, segundo dizem, se não é um pouco embaraçado no cargo: parece que havia de haver tesoureiro do dinheiro dos defuntos, porque será melhor despacho para as partes, e andará o dinheiro mais líquido e certo, quando o não houver de arrecadar a pessoa que houver de julgar. O frade dominicano que o vice-rei chamava ao seu despacho era esse mesmo Simão Botelho das cartas austeras que, depois de ter sido muitos anos veador e capitão de Malaca, vestira o hábito de São Domingos, e assim mesmo era consultado por todos os vice-reis, e acompanhara D. Constantino na jornada de Jafanapatão, em 1560, arvorando à frente da hoste um Cristo crucificado. Rodrigo Felner, prefaciando os escritos inéditos de Simão Botelho, mostrou-se pesaroso por não saber o fim daquele homem, “um dos mais ilustrados do seu tempo, e alma incorruptível”. Fácil lhe era averiguá-lo, se buscasse na vulgar Crônica de São Domingos, por Frei Luís de Sousa, ou sequer em Diogo do Couto os últimos atos de tão interessante personagem.
Outra hipótese que me não parece aceitável: — a do provimento da feitoria de Chaul em Luís de Camões pelo vice-rei D. Antão de Noronha. Achou o Sr. Visconde de Juromenha o alvará de Filipe I de Portugal que concede a Ana de Sá a tença de 15.000 réis que recebia o filho falecido. Diz o alvará: havendo respeito aos serviços de Simão Vaz de Camões e aos de Luís de Camões, seu filho, cavaleiro da minha casa e a não entrar na feitoria de Chaul de que era provido, etc. Disto depreendeu o biógrafo que Luís de Camões fora provido pelo vice-rei D. Antão de Noronha.
Camões não regressaria pobre, empenhado, vivendo do bem-fazer dos passageiros, se o vice-rei o provesse na vaga duma feitoria que avultava ao rendimento de 500 pardaus, com rendimentos e cargos anexos licitamente percebidos. Esse provimento lhe bastaria como hipoteca a adiantamentos e independência relativa. A mim me quer parecer que a feitoria de Chaul lhe foi dada por provisão real depois da publicação d’Os Lusíadas, ao mesmo tempo que se lhe deu a tença, sob condição de residir na corte. A condição de residência seria inexplicável doutro modo. Logo que a feitoria vagasse, cessaria a tença. A condição inibia-o de auferir a tença desde que exercesse o ofício.
***
A tença de 15.000 réis, o apregoado escândalo da sovinaria dos ministros, não era, àquele tempo, a miséria que se nos cá figura. Vejamos e comparemos os ordenados daquela época. O ordenado dos desembargadores do cardeal-infante eram 30.000 réis, do copeiro-mor 6.000 réis, do vedor das obras 4.000 réis, do guarda-mor 13.000 réis, e do veador da fazenda 30.000 réis. As tenças de 30.000 réis eram apanágio de homens de muitos serviços.

Na conta de receita e despeza de 1557 vê-se que o regedor da justiça, 45 desembargadores, e os do paço que não eram poucos, e os da fazenda que eram muitos, todos juntos, receberam dos seus ordenados 3.777.800 réis. O governador da casa do cível, 24 desembargadores, 6 alcaides, 100 empregados e outros oficiais de justiça, todos juntos, receberam dos seus ordenados 1.664.200 réis. Trinta anos depois, o numerário não estava mais barato, e os 15.000 réis de tença de Camões haviam de parecer um excesso, um esbanjamento da fazenda nacional a qualquer daqueles desembargadores. Diogo Botelho, tão celebrado em África e Ásia, recebia 12$000 réis Cartas de Simão Botelho (páginas. 40 e 41). Este alvitre do veador, sempre honrado e muito aceito ao monarca, surtiu as cautelas e desconfianças que puseram Camões ao lado de muitos réus do mesmo delito, porque sentenciavam a entrega dos dinheiros que “arrecadavam”, tornando-os por isso menos líquidos e certos.
Eu creio tanto na mendicidade de Homero como nos peditórios noturnos de esmola do Antônio de Java para sustentar Camões. Se o poeta chegasse ao extremo da penúria, acharia no refeitório dos seus bons amigos dominicanos com quem tratava frequentemente a farta mesa que ali encontravam somenos beneméritos. Não me sofre o conceito que formo desse egrégio espírito que ele quisesse a vida sustentada com tão desprimorosos expedientes. É a lenda da miséria em que se comprazem as imaginações sombrias. Porque ele pediu em verso uma camisa em Goa, decidiram que o poeta não tinha camisa. Parece ignorarem que a dádiva duma camisa como elas por esse tempo se presenteavam era um objeto caro e luxuoso. A fábula tecida sobre a fome de Camões originou-se talvez dalguns poetas subalternos que entenderam desforçar-se da sua pobreza afrontando a nação que vira finar-se no desconforto o príncipe dos poetas da Espanha. Consolavam-se assim com a camaradagem e vociferavam contra a ingratidão dos parvos. Espanta, porém, que se não clamasse com mais justiça contra os áulicos que deixaram morrer no hospital Antônio Galvão, o apóstolo das Molucas, e Duarte Pacheco Pereira.
Não se pode ajuizar que os proventos do poema impresso lhe auxiliassem a vida. Os Lusíadas talvez lhe não surtissem o equivalente da tença nos oito anos da sua maior popularidade. Devia ser vagarosa a extração da obra, atentas as calamidades daqueles anos — pestes, ameaças de guerra, pobreza do estado, corrupção de costumes, desavenças no paço, a preponderância dos livros místicos e o descaimento das letras profanas. A 2ª edição do poema, no mesmo ano de 1572, em vista dos argumentos plausíveis do acadêmico Trigoso 19, não é aceitável nem sequer verosímil. Falsificaram retrospectivamente a data porque havia razão para recear que uma censura mais severa proibisse nova edição sem os cortes das estâncias que desagradaram à clerezia e à pudicícia duns velhos que poderiam, na verdura dos anos, ter assistido sem pejo às chocarrices obscenas de Gil Vicente. Não se pode calcular quantos anos intercorreram da primeira à segunda edição; é, todavia, provável que a segunda se fizesse em vida do poeta.
Luís de Camões, se a vida se lhe prolongasse, teria mais abastada velhice. Filipe li de Castela, vindo a Portugal meses depois da morte do poeta, perguntou pelo autor d’Os Lusíadas. Não me consta que os reis naturais, os legítimos, alguma hora perguntassem por Camões. O intruso concedeu à provecta mãe do poeta falecido a tença que o filho recebia. Este procedimento, e a curiosidade benévola do usurpador são os únicos atos honoríficos que ligam a biografia de Camões à dos monarcas. D. João III desterrara-o, D. Catarina e o cardeal desprezaram-no, D. Sebastião ouviria novas do seu poema, lê-lo-ia, e não impugnaria a concessão da tença e do ofício na Ásia. No desprezo, se não ódio da rainha D. Catarina transpira a vingança do rancoroso Francisco Barreto contra quem Camões, livre dos ferros, dardejaria violentas, mas não injustas sátiras. Barreto, chegado a Lisboa, vingou-se de quantos inimigos deixara na-índia. O bravo Gonçalo Falcão, que logo que ele saiu do governo o desafiara a combate singular, foi mandado carregar de ferros e conduzir a Lisboa. Pôde fugir a tamanha ignomínia o bravo de Jafanapatão, escondeu-se em Lisboa, e conseguiu ser absolvido, alegando que os duelos ainda não eram proibidos pelo concílio tridentino, quando ele reptou Francisco Barreto. Não obstante, a rainha mandou-o riscar dos livros da nobreza e reduziu-o à miséria. D. Sebastião, volvidos anos, restituiu-o à capitania de Sofala, onde expirou apenas tomou posse. Barreto fanatizara a rainha brindando-a com uma pedra milagrosa que levou da índia. O seixo tinha sete céus de cores diversas e uma figura de mulher com um menino no colo. Era Nossa Senhora, achada nas mãos dum bonzo! Água onde mergulhassem a pedra sarava muitas doenças; mulheres de parto muita bem pariam, assevera Miguel Leitão de Andrade na Miscelânea; e nas mãos da rainha o calhau fazia os mesmos milagres. A viúva de D. João III, além destes seixos milagrosos, gostava muito que os governadores do Levante lhe vendessem bem e pelo maior preço a pimenta. É o que ela pedia fervorosamente a D. João de Castro e aos outros vice-reis. A respeito de poetas e viajantes, dava tanto por Luís de Camões como por Fernão Mendes Pinto — rivais no infortúnio, mas não iguais no merecimento de melhor sorte. Os favores, embora apoucados, que Luís de Camões recebeu da corte são posteriores às finais desavenças de D. Sebastião com sua avó. Esse divórcio deu-se em 1571, e o alvará da tença é lavrado em 1572.
Não vituperemos Filipe I pelo desamor com que tratou os nossos escritores. Não cai a ponto aqui a lista dos talentos portugueses protegidos pelos reis castelhanos, desde Diogo Bernardes, o moço da toalha, até Manuel de Sousa Coutinho, o incendiário da casa de Almada, que, depois de frade, oferecia a sua crônica ao terceiro dos usurpadores. Se Camões se bandearia em Castela como Gabriel Pereira de Castro, Caminha, Pereira Brandão e Corte Real não sei; porém, quando o Sr. Teófilo Braga me nomeia os amigos de Camões parciais do prior do Crato, e entre eles está Miguel Leitão de Andrade, lembra-me se Camões, vivendo, seria tanto por D. Antônio como o preconizado Leitão de Andrade. Diz o Sr. Doutor Teófilo Braga na sua primeira Vida de Camões e repete na segunda, publicada há dias, que o autor da Miscelânea “esteve a ponto de ser degolado pelo invasor espanhol”. O Sr. Braga entendeu a passagem do carnaz. Miguel Leitão esteve a pique de ser decapitado justamente porque fugia de D. Antônio para o usurpador Filipe. Ele mesmo o refere na Miscelânea, nestes termos explícitos: No tempo que o Sr. D. Antônio se levantou rei, me achei com ele em Lisboa, por não poder escusar servi-lo, sendo fidalgo da sua casa. Porém, vendo entregar-se a fortaleza de São Gião a Sua Majestade me pareceu ir-me para o dito senhor, e indo já na Golegã, a meu parecer fora já do perigo de morte a todos os que se fossem de Lisboa, a qual executava cruelmente Manuel da Silva fronteiro de Santarém, ali me prenderam, etc. E conta depois como pôde evadir-se pela latrina, e foi depois mais tarde a Madrid requerer com o traslado autêntico dos trabalhos que passou para fugir. Também o Sr. Visconde de Juromenha conjecturou que Camões estivesse no Pedrógão, convidado por Miguel Leitão de Andrade quando foi desterrado para Ribatejo. Camões sofreu este desterro em 1546, e Miguel Leitão de Andrade nasceu em 1555. Não me parece aceitável que Camões fosse visitar um sujeito que nasceu nove anos depois da visita. Que processos tão de palpite e fantasmagóricos têm usado estes doutos senhores na biografia de Camões! Se não seria melhor estudar o assunto!
Acusam os Jesuítas de propulsores da jornada de África, porque aferventavam o zelo religioso do príncipe fanatizado contra a mourisma. Por que não acusam com maior justiça e sobre provas escritas Luís de Camões? Afirma o Sr. Teófilo Braga que o poeta não simpatizava com a jornada de África. Tanto simpatizava que, ao propósito da seta enviada pelo Papa a D. Sebastião, lhe escreveu uma epístola recheada de versos assinalados por uma virulenta retórica sanguinária:
Já por ordem do Céu, que o consentiu
Tendes o braço seu, relíquia cara,
Defensor contra o gládio que feriu
O povo que Davi contar mandara,
No qual, pois tudo em vós se permitiu,
Presságio temos, e esperança clara,
Que sereis braço forte e soberano
Contra o soberbo gládio Mauritano.
............................................................
Que as vossas setas são na justa guerra
Agudas, e entrarão por derradeiro
(Caindo a vossos pés povo sem lei)
Nos peitos que inimigos são do Rei.

Está revendo a incitadora carta um coração que ainda vibra hostil como outrora o braço valoroso do mancebo que se estreara em Ceuta. Não se condene Luís de Camões por esse entusiasmo; mas reservemos os louvores da prudência discreta e previdente para o bispo Jerônimo Osório e Martim Gonçalves da Câmara. Se pretendem ilibar Camões da nódoa quase comum dos fidalgos — para que nos dizem que o alquebrado poeta escreveu bastantes estâncias cantando, por hipótese, o regresso triunfal do coroado imperador de Marrocos? Essa mal estreada epopeia condiz à índole belicosa de Camões — foi a última e malograda explosão do seu patriotismo; todavia, é uma prova negativa do seu juízo político. Enfim, sempre poeta e sublime poeta do amor e das batalhas, foi astro que refulgiu até ao ocaso, apesar dos anos agravados de doença, de necessidades suportadas com a impaciência da velhice, e um pouco do fel do ciúme de outros poetas eleitos para cantarem a Ilíada africana.
***
Se Luís de Camões, em pureza de costumes, condissesse com a sobre-excelência
do engenho, seria exemplar único de talento irmanado com o juízo. Não se conciliam as regras austeras da vida serena e pautada com as convulsões da fantasia. Amores de alto enlevo e de baixa estofa, o ideal de Catarina de Ataíde e as carnalidades das malabares e baiaderas levantinas — o exalçar-se a regiões de luz divina e o cair nos tremedais do vulgo — essas vicissitudes que a si mesmo fazem o homem assombroso em sua majestade e miséria, tudo isso foi Camões, e em tudo isso foi semelhante aos gênios eminentíssimos; mas nenhum homem como ele pôde redimir-se de suas fragilidades, divinizando os erros da imprudência, fazendo-se amar nos extravios, e imortalizando-se em um livro que, ao fechar de três séculos, alvoroça uma nação. É de nós todos esse tesouro legado por um homem que no dia 10 de Junho de 1580 expirava na obscuridade. Ele teve de esmola a mortalha. Permita a Providência das nações que Os Lusíadas não sejam a esplêndida mortalha que Luís de Camões deixou a Portugal.
CAMILO CASTELO BRANCO
São Miguel de Seide, Maio de 1880.
Pesquisa e adaptação ortográfica: Iba Mendes (2020)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...