terça-feira, 11 de maio de 2021

O anel mágico (Conto Popular) de Figueiredo Pimentel


O anel mágico

Tão dócil, meigo e de melhor índole, ninguém havia como o Carlito, e por isso toda a gente o estimava. Os próprios bichos queriam-lhe muito, porque ele lhes não fazia mal algum, de modo que tinha amigos em toda a parte.

Crescendo, ficando mocinho, Carlito nem por isso perdeu as suas qualidades e o seu excelente coração.

Uma vez, estava ele à porta de casa, quando viu passar um velhinho, tão velho e parecendo tão enfermo, que mal podia caminhar. O rapaz saiu à rua, deu o braço ao velho, e trouxe-o para dentro, servindo-lhe de jantar, até que, restabelecido, criou forças e pôde caminhar.

— Já que és tão bom moço, dou-te este anel de condão. Com ele conseguirás tudo quanto quiserdes, bastando enfiá-lo no dedo, e formular o desejo.

Carlito, achou-se possuidor de tão precioso objeto, vendo que nada mais tinha a recear, foi correr mundo.

***

Durante muitos anos viajou por terra e por mar, em quase todos os países do mundo, chegando finalmente à Arábia.

Aí, passeando em uma das cidades, teve o ensejo de ver Ercília, formosa filha de um importante chefe de tribo.

Loucamente apaixonado, foi pedi-la, em casamento.

O velho árabe naquela ocasião estava em guerra com o rei de um país limítrofe. Declarou-lhe que só o aceitaria por genro, se ele mostrasse grande valor no combate que iam travar.

Carlito pôs o anel no dedo, e preparou-se para a luta. Armado apenas com uma espada, desprezando quaisquer outras armas, empenhou-se na batalha.

Ao primeiro embate, a tribo árabe viu-o, com espanto, abandonar as fileiras, e avançar sozinho de encontro ao exército inimigo, duas vezes mais numeroso.

Nunca se viu tamanha bravura! Jamais houve denodo assim! A cada golpe de sua espada, um combatente caía para jamais se erguer! Por onde passava, ia deixando um claro aberto. Começou a dizimar o inimigo, a tal ponto, que todos fugiram em debandada. Voltando para as fileiras da tribo árabe, não tinha um arranhão sequer.

O rei inimigo, consultando os mágicos do reino, no mesmo dia da derrota, soube que o poder estranho de Carlito lhe era dado pelo anel encantado. Resolveu roubá-lo.

Sabendo quanto o moço era caritativo, mandou um espião, disfarçado em mendigo, pedir-lhe esmola.

O falso pobre chegou à tenda, fingindo-se doente, sem poder caminhar, e pediu hospedagem por uma noite. Carlito concedeu-a de boa vontade.

Durante a noite, aproveitando-se do sono do generoso mancebo, o fingido mendigo roubou-lhe o anel.

Ao despertar, o mocinho sentiu-se roubado.

Soaram as cornetas, e novo combates se travou, tendo os árabes toda a confiança, lembrando-se do sucesso da véspera, ignorando o que se passara.

Carlito a ninguém confiou o seu segredo. No momento da peleja foi bravo, mas nada pôde fazer. As tropas inimigas, duas vezes mais numerosas, em pouco tempo desbarataram a tribo.

O pai de Ercília, desesperado, expulsou Carlito, não mandando matá-lo, por se recordar das incríveis façanhas do dia anterior.

O jovem saiu do acampamento, muito triste, por ter perdido as esperanças de desposar Ercília. Sentou-se à beira do caminho, e chorava, quando lhe apareceu o rei dos Camundongos, que lhe disse:

— Não te desoles, Carlito. Vou mandar dois dos meus vassalos buscar o anel que te furtaram, e amanhã pela manhã tê-lo-ás.

O chefe inimigo, desde que teve o anel em seu poder, encerrou-o numa caixa de madeira muito forte, postando junto uma guarda de vinte soldados para vigiá-lo. Ninguém podia se aproximar daí.

Os guardas, por mais atentos que estivessem, não podiam ver dois camundonguinhos miudinhos, que começaram a roer a caixa.

Trabalharam sem cessar a noite inteira, sem fazer ruído, até que roeram um pedaço de madeira por onde um deles entrou.

De posse do anel, foram levá-lo ao seu rei, que por ser turno o entregou ao moço.

Carlito voltou ao campo árabe, e fez com que o velho chefe empreendesse novo combate.

Como no primeiro dia, fez extraordinários prodígios de bravura. Abriu caminho por entre as cerradas fileiras inimigas, até que, encontrando-se com o rei, o matou. Estava terminada a guerra.

O chefe da tribo árabe, encantado com Carlito, não demorou o seu casamento com Ercília.

---
Pesquisa e atualização ortográfica: Iba Mendes (2021)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...