sexta-feira, 2 de novembro de 2018

A morte e o lenhador (Fábula), de Monteiro Lobato



A morte e o lenhador
Um velhinho, muito velho, vivia de tirar lenha na mata. Os feixes, porém, cada vez lhe pareciam mais pesados. Tropicava com eles, quase caía, e um dia, caiu de verdade, perdeu a paciência e lamentou-se amargamente:
— Antes morrer! De que me vale a vida, se nem com este miserável feixe posso? Vem, ó Morte, vem aliviar-me do peso desta vida inútil.
Tentou erguer a lenha. Não pôde e, desanimando, invocou pela segunda vez a Magra.
— Por que demoras tanto, Morte? Vem, já pedi, vem aliviar-me do fardo da vida. Andas pelo mundo a colher criancinhas e esqueces de mim que te chamo... A Morte foi e apareceu — horrenda, escaveirada, com os ossos a chocalharem e a foice na mão.
Ao vê-la de perto o homem estremeceu de pavor, e mais ainda quando a Magra lhe disse, batendo os ossos do queixo:
— Cha-mas-te-me; a-qui- es-tou!
O velho tremia, suava... E para sair-se dos apuros só teve esta:
— Chamei-te, sim, mas para me ajudares a botar esta lenha às Costas...

---
Fonte:
Do livro "Fábulas e Histórias diversas"
Pesquisa e adequação ortográfica: Iba Mendes (2018)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...