sexta-feira, 2 de novembro de 2018

A raposa sem rabo (Fábula), de Monteiro Lobato



A raposa sem rabo
Certa raposa caiu numa armadilha. Debateu-se, gemeu, chorou e finalmente conseguiu fugir, embora deixando na ratoeira sua linda cauda. Pobre raposa! Andava agora triste, sorumbática, sem coragem de aparecer diante das outras, com receio da vaia.
Mas de tanto pensar no seu caso teve a ideia de convocar o povo raposeiro para uma grande reunião.
— Assunto gravíssimo! — explicou ela. Assunto que interessa a todos os animais.
Reuniram-se as raposas e a derrabada, tomando a palavra, disse:
— Amigas, respondam-me por obséquio: que serventia tem para nós a cauda? Bonita não é, útil não é, honrosa não é... Por que, então continuarmos a trazer este grotesco apêndice às costas? Fora com ele! Derrabemo-nos todas e fiquemos graciosas como as preás.
As ouvintes estranharam aquelas ideias e, matreiras como são, suspeitaram qualquer coisa. Ergueram-se do seu lugar e, dirigindo-se à oradora, pediram:
— Muito bem. Mas cortaremos primeiro a sua. Vire-se para cá, faça o favor...
A pobre raposa, desapontada, teve de obedecer à intimação. Voltou de costas.
Foi uma gargalhada geral.
— Está explicado o empenho dela em nos fazer mais bonitas. Fora! Fora com a derrabada!
E correram-na dali.

---
Fonte:
Do livro "Fábulas e Histórias diversas"
Pesquisa e adequação ortográfica: Iba Mendes (2018)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...