sexta-feira, 2 de novembro de 2018

O carreiro e o papagaio (Fábula), de Monteiro Lobato



O carreiro e o papagaio
Vinha um carreiro à frente dos bois, cantarolando pela estrada sem fim. Estrada de lama.
Em certo ponto o carro atolou.
O pobre homem aguilhoa os bois, dá pancadas, grita; nada consegue e põe-se a lamentar a sorte.
— Desgraçado que sou! Que fazer agora, sozinho neste deserto? Se ao menos São Benedito tivesse dó de mim e me ajudasse...
Um papagaio escondido entre a ‘olhas condoeu-se dele e, imitando a voz de santo, começou a falar:
— Os céus te ouviram, amigo, e Benedito em pessoa aqui está para o ajutório que pedes.
O carreiro, num assombro, exclama:
— Obrigado, meu santo! Mas onde estás que não te vejo?
— Ao teu lado. Não me vês porque sou invisível. Mas, vamos, faze o que mando. Toma da enxada e cava aqui. Isso. Agora a mesma coisa do outro lado. Isso. Agora vais cortar uns ramos e estivar o sulco aberto. Isso. Agora vais aguilhoar os bois.
O carreiro fez tudo como o papagaio mandou e com grande alegria viu desatolar-se o carro.
— Obrigado, meu santo! — exclamou ele de mãos postas. Nunca me hei de esquecer do grande socorro prestado, pois que sem ele eu ficaria aqui toda a vida.
O papagaio achou muita graça na ingenuidade do homem e papagueou, como despedida, um velho rifão popular:
Ajuda-te, que o céu te ajudará.


---
Fonte:
Do livro "Fábulas e Histórias diversas"
Pesquisa e adequação ortográfica: Iba Mendes (2018)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...