segunda-feira, 15 de julho de 2019

“Os Caboclos” (Crítica), de Sylvio Floreal



“Os Caboclos”

Valdomiro Silveira, nome suficientemente conhecido no mundo das letras, rompendo com longos anos de modéstia, acaba de publicar, editado pela casa editora Monteiro Lobato & Cia., um livro medularmente brasileiro e genuinamente paulista.

Falar de Valdomiro Silveira é tarefa que requer um longo e apurado estudo, tanto da sua personalidade moral como intelectual.

É advogado e nesse mister nunca deu margem a que se lhe apontasse o mais leve deslize que depusesse contra a sua robusta honestidade.

Valdomiro, como todos o chamamos na intimidade, é um desses homens dotados desse fluido interior, que irradia espontaneamente sobre todas as pessoas que dele se acercam.

Apesar dos seus múltiplos e vastos conhecimentos, nunca tomou uma atitude insolente de mestre para transmitir a outrem aquilo que adquiriu com longos e longos anos de estudo num contínuo holocausto, cirandando livros e mais livros pelo crivo do seu cérebro, que lhe proporcionaram, num trabalho lento de assimilação, um cabedal de cultura máscula.

Não se tem notícia que tenha algum dia ostentado o mais tênue vislumbre de cabotinismo!

É um sereno na vida, apesar da profissão, e a sua arte é também um prolongamento dessa mesma serenidade.

Visto através de qualquer prisma é sempre o mesmo homem, inteiriço no caráter e perfeito no intelecto.

É um retraído por convicção e não por timidez.

Vive a máxima de Taine: “espalha a tua obra e esconde a tua personalidade”.

E assim fez.

O seu livro “Os Caboclos” é um atestado eloquente não só do quanto ele é intelectual, mas também do quanto é brasileiro.

É, como disse um outro grande escritor e irmão, Agenor Silveira —“Valdomiro Silveira com a só publicação de “Os Caboclos”, vai ensinar muita coisa do Brasil aos brasileiros de agora”.

Nesse livro ninguém como ele soube focalizar aspectos da vida dos caboclos do nosso hinterland paulista.

E fez mais: tratou da vida dos caboclos, sem ódio e rancor.

Descreveu-lhe a vida em toda a sua rusticidade e a alma em todos os seus anseios, na sua esplêndida e brutal realidade, sem ridicularizá-los e diminuí-los naquilo que são!

Fez obra flagrante de verdade, além de profundamente humana!

Os seus personagens, quando falam, falam como pensam e nunca falam como pensa o escritor que, para ser fiel, soube integralizar nesse meio com a ótica da sua observação límpida e apta para fotografar com precisão única todas as cenas que observou e que alfim estereotipou, de acordo com a terra, o meio e o homem.

E não se diga que Valdomiro fez simplesmente obra visual; não.

Porque ele não só viu os caboclos, mas chegou até mesmo a senti-los, se tal pode afirmar, dentro do halo da sua visão.

É, enfim, um livro uno, coeso e completo, tanto pelo esmerilhado da forma, que de uma simplicidade modelar, como pela efabulação e desenrolar do assunto, de uma precisão como não há outro no gênero escrito até hoje no Brasil.

“Os Caboclos” é um livro que fica, no acervo da nossa literatura, à margem, ocupando um lugar de destaque.

E ao lado de Paulo Setúbal, com a “Alma cabocla”, e Monteiro Lobato, com os “Urupês”, forma Valdomiro da Silveira com “Os Caboclos”, marcando uma era de ressurgimento literário e de independência mental do Brasil.


Jornal "O Comércio de Campinas", 25 de janeiro de 1921.


---
Fonte:
Rafael Rodrigo Ferreira: "O 'literato ambulante': antologia e estudo da obra de Sylvio Floreal - 1918-1928" (Tese). Universidade de São Paulo - USP. São Paulo, 2018.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...