quinta-feira, 11 de julho de 2019

A esperteza da Macedônia (História), de Monteiro Lobato



A esperteza da Macedônia
No outro dia dona Benta falou dos meninos que começam "sapeando" um brinquedo e por fim se metem nele e acabam donos de tudo.
– Foi o que aconteceu na Grécia. Enquanto Atenas, Esparta e outras cidades se debatiam naquele terrível brinquedo de guerra, um senhor Filipe, rei de Macedônia, espiava por cima do muro, esperando a ocasião de entrar no jogo. Filipe viu que Atenas e Esparta estavam exaustas da luta, a ponto de mal poderem consigo; logo, se ele pulasse o muro e entrasse no brinquedo quem virava o chefe seria ele. Ser rei da Grécia sempre fora o seu sonho. E como os gregos odiassem os persas por causa do incêndio de Atenas, o espertíssimo Filipe resolveu entrar por esse caminho.
- "Vossos antepassados", falou ele aos gregos, "fizeram os persas recuar; mas os persas voltaram para suas terras, muitos frescos da vida, e nunca foram punidos pelo mal feito à Grécia. Por que não tomais vingança? Por que não organizais uma boa guerra contra eles, não só para castigá-los, como também para apanhar-lhes os grandes tesouros que possuem?
E depois acrescentou um finalzinho que era onde estava o gato, isto é, onde estava escondida a ideia secreta de Filipe:
– "E eu, que sou o grande guerreiro que sabeis, eu me juntarei convosco para vos ajudar".
Ninguém pareceu perceber o que havia bem lá dentro da cabeça de Filipe, exceto um ateniense chamado Demóstenes.
– Não é o tal das pedrinhas vovó?
– Sim, é o mesmo. Quando menino, Demóstenes revelou uma fortíssima vocação para orador, embora um defeito de nascença o estivesse avisando a cada passo: "Seja tudo quanto quiser, menos orador". De... Demós... tenes é... era gá... gago.
– E um gago a querer ser orador, é mesmo da gente dar com um gato morto em cima até que o gato mie, disse Pedrinho.
– Pois Demóstenes não levou com gato em cima, mas deu com pedrinhas na gagueira e acabou com ela e ficou sendo o mais famoso orador da humanidade. Ainda hoje, quando a gente quer dizer que um fulano de tal é grande orador diz: "É um Demóstenes!" Não se lembram daquela festinha do compadre Teodorico, no casamento da Miloca? Como foi que o Zezinho Xarope começou o seu brinde aos noivos, no jantar?
– Eu me lembro, vovó! gritou Pedrinho, e até decorei a frase, de tão bonita que a achei. Foi assim: "Neste momento solene, em que ergo a minha débil voz para saudar os nubentes, eu queria ter a eloquência dum Demóstenes para etc. e tal". Foi só palmas. Na volta para casa a senhora nos ensinou o que queria dizer nubentes. Recordo-me muito bem.
– Pois é. Demóstenes foi um orador tão famoso que até o Zezinho Xarope se lembra dele, neste fim de mundo onde moramos. Demóstenes entendeu de acabar com a gagueira. Diariamente ia a um ponto da praia onde as ondas se quebravam nos rochedos com grande barulho. E lá se punha a fazer discursos, com pedrinhas na boca.
– Por que pedrinhas?
– Para aumentar a dificuldade. Você compreende que assim embaraçado com as pedrinhas mais difícil ainda se tornava para aquele gago discursar no meio do barulho das ondas. Mas insistiu, insistiu até que venceu o embaraço de nascença somado com o embaraço das pedrinhas – e acabou falando com voz tão alta que dominava o barulho do oceano. As ondas furiosas eram para ele o público – um público insolente, que procurava impedir que sua voz fosse ouvida. Demóstenes venceu a gagueira à força de exercício, e foi aumentando o tom da voz até vencer também o rumor das ondas. Mais tarde, quando em vez de ondas tinha diante de si multidões de homens, também sua voz dominava o barulho das ondas humanas – e Demóstenes ficou o rei dos oradores. Quem o ouvia, era conquistado pela sua eloquência a ponto de rir ou chorar, conforme o desejo do orador.
Pois bem, este Demóstenes percebeu as intenções ocultas de Filipe naquele negócio da vingança contra os persas. "Ele quer tomar conta da Grécia e virar nosso rei" refletiu, e desde esse momento passou a aplicar toda a força de sua eloquência contra o esperto Filipe. Fez contra ele doze discursos famosos, que se chamaram as Filípicas. Quando hoje um orador qualquer pronuncia contra alguém um discurso violento, todos dizem: "É uma filípica".
Sempre que os gregos ouviam uma arenga de Demóstenes ficavam com ódio de Filipe; mas depois iam esquecendo e de novo se deixavam enlear pelos projetos do paciente rei da Macedônia. Afinal, Filipe venceu. Acabou como queria – rei da Grécia; mas não pode realizar o seu plano de guerra porque morreu assassinado por um dos seus generais.
– Isso quer dizer, vovó que, embora a eloquência valha muito, a esperteza ainda vale mais, observou o menino.
– Na verdade, meu filho, a esperteza é tudo na vida. Quem lê a história dos homens, vê que a esperteza acaba sempre vencendo. Vence até a força bruta.
Filipe tinha um filho chamado Alexandre, com vinte anos de idade nessa época, o qual passou a ser rei da Macedônia e da Grécia juntas e realizou grandiosos planos do pai. Era uma criatura extraordinária esse Alexandre, com todos os dons de inteligência e da beleza. Quando ainda meninote, aconteceu-lhe um caso famoso, certa vez em que assistia a uns exercícios de equitação. Sabem o que é equitação?
– Sei! Gritou Emília, que tinha estado quieta uma porção de tempo. Equitação é coisa de cavalo. Andar a cavalo, montar a cavalo, cair do cavalo, puxar o rabo do cabalo, dar milho para o cavalo, pentear a crina do cavalo...
– Pare, que já errou! disse dona Benta. Equitação é o nome da arte de montar nos cavalos – só isso. Puxar rabo de cavalo não é equitação – é reinação perigosa. Mas ao assistir àquelas provas, Alexandre viu que nenhum dos presentes conseguia montar certo ginete muito fogoso. Parecia assustadíssimo o animal, dando tais pinotes e corcovos que ninguém podia firmar-se na cela. Percebendo que o cavalo estava assustado com a sua própria sobra, Alexandre disse ao pai: "Papai, dá licença que eu monte esse animal?" O rei Filipe achou graça e riu-se gostosamente. "Que absurdo, meu filho! Pois não vê que cavaleiros velhos, peões de primeira ordem não conseguem fazê-lo sossegar?" "Pois eu conseguirei", afirmou o menino. O pai, sempre a rir-se, deu a licença pedida, e Alexandre, dirigindo-se até o cavalo, virou-o de modo que ficasse de frente para sol e, portanto, sem poder ver a própria sombra. Imediatamente o cavalo sossegou e deixou-se montar. Tão alegre ficou Felipe com a habilidade do filho, que lhe deu o cavalo como prêmio. Chamava-se Bucéfalo. Esse famoso corcel foi por muito tempo a montaria predileta de Alexandre; quando morreu teve estátua, e ainda várias cidades batizadas com o seu nome.
– Que danadinho, o tal de Alexandre!
– Habilíssimo. Alexandre teve uma grande coisa consigo, que talvez explique tudo quanto fez de importante na vida; foi discípulo de Aristóteles, o maior professor que a humanidade possuiu até hoje.
– A humanidade, vovó? Não está achando isso meio muito? observou Pedrinho com cara de dúvida.
– Não é muito, não. Este Aristóteles escreveu uma porção de livros importantíssimos sobre todas as coisas – sobre os astros...
– Astronomia! gritou Pedrinho.
– ...sobre os animais...
– Zoologia!
– ... sobre as plantas...
– Botânica!
– ... sobre a política e sobre o modo da cabeça da gente funcionar, isto é, sobre o espírito, as ideias, a inteligência, etc. Como se chama esta ciência, senhor sabidão?
Pedrinho engasgou.
– Cabeçologia! gritou lá de longe a boneca.
– Psicologia, corrigiu dona Benta, estudo da alma ou do espírito. Sobre todos esses assuntos escreveu Aristóteles, e tão bem que durante muitos séculos...
– Séculos, vovó?
– Séculos, sim. Desde o ano de 384 a.C., data do seu nascimento, até hoje, temos 2.327 anos, ou mais de vinte e três séculos. Por todo esse tempo as obras desse famoso professor vieram ensinando a ciência aos homens. Antigamente, há um século atrás, os únicos livros de ensino existentes nas universidades eram os de Aristóteles. Únicos, hein? Hoje a coisa está mudada. Temos outros livros; mas tais livros não passam dos mesmos livros de Aristóteles, apenas melhorados com o que a experiência dos homens nos foi ensinando até aqui.
Este famosíssimo professor foi aluno de outro mestre de igual fama, chamado Platão, e este Platão foi disciplinado daquele Sócrates que teve que beber cicuta. De modo que os três homens que maiores serviços prestaram à humanidade como mestres da ciência, foram... Vamos lá, Narizinho...
– Sócrates, Platão e Aristóteles.
– Muito bem. Quando vocês crescerem, não deixem de ler algumas das suas obras. Vão ficar admirados do vigor da inteligência dos três filósofos gregos. Sócrates não deixou obra escrita, mas o seus discípulo Platão nos dá todas as suas ideias.

---
José Bento Renato Monteiro Lobato (1882-1948)
Pesquisa: Iba Mendes (2019)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...